Irã libera nove tripulantes de petroleiro apreendido
capa

Irã libera nove tripulantes de petroleiro apreendido

Navio foi acusado de contrabando em momento de tensão com Reino Unido e EUA

Por
AFP

Tripulação era formada por 12 indianos, dos quais nove foram libertos

publicidade

O Irã libertou nove dos 12 tripulantes indianos de um petroleiro de bandeira panamenha apreendido em 14 de julho, informou nesta sexta-feira o ministério das Relações Exteriores da Índia. Teerã acusou o navio, o MT Riah, de contrabandear petróleo, no contexto de crescentes tensões entre o governo iraniano, o Reino Unido e os Estados Unidos a respeito da navegação no Estreito de Ormuz.

O site TankerTrackers, que acompanha o transporte de petróleo, informou que o MT Riah entrou em águas iranianas em 14 de julho e cessou a sinalização logo em seguida. O ministério indiano das Relações Exteriores não deu detalhes sobre a libertação das nove pessoas.

Vinte e um indianos ainda estão detidos pelos iranianos, incluindo três membros da tripulação do MT Riah e 18 do petroleiro sueco Stena Impero, de bandeira britânica, interceptado pelas forças iranianas na semana passada. Suspeito de "descumprimento do código marítimo internacional", o Stena Impero e sua tripulação de 23 pessoas foram detidos no porto de Bandar Abbas, no sul do Irã. Além dos 18 indianos, há três russos, um letão e um filipino.

A Índia anunciou na quinta-feira que seus diplomatas no Irã tiveram acesso à tripulação do Stena Impero. "Os 18 tripulantes indianos a bordo estão seguros e vamos continuar trabalhando para sua libertação", declarou no Twitter o vice-ministro das Relações Exteriores, V. Muraleedharan.
 

 


A apreensão do petroleiro exacerbou as tensões entre os países ocidentais e o Irã, que surgiram em abril, quando os Estados Unidos anunciaram que sancionariam os países que comprassem petróleo do Irã. O Irã deu a entender que estaria disposto a negociar o Stena Impero contra um navio iraniano, o Grace 1, detido em Gibraltar e acusado de transportar petróleo iraniano para a Síria, violando as sanções internacionais.