Irã muda de ideia e não enviará para Ucrânia caixas pretas de avião abatido
capa

Irã muda de ideia e não enviará para Ucrânia caixas pretas de avião abatido

Hassan Rezaeifar disse que informações do voo ainda estão sendo recuperadas

Por
AE

Oficial que lidera as investigações sobre o avião negou a informação que vai enviar as caixas pretas para análise

publicidade

O oficial Hassan Rezaeifar que lidera as investigações sobre o avião da Ukraine International Airlines que foi abatido por engano pelo Guarda Revolucionária do Irã no último dia 8 de janeiro, matando todas as 176 pessoas a bordo, negou a informação que vai enviar as caixas pretas para análise por Kiev, informou a Agência Estado.  

De acordo com a agência de notícias estatal IRNA, Hassan Rezaeifar disse que "as caixas pretas do Boeing ucraniano estão em mãos iranianas e não temos planos de enviá-las para fora do país". Ele disse que as informações do voo ainda estão sendo recuperadas e que elas podem ser mandadas para a Ucrânia ou França em algum momento, mas que "ainda não há planos para isso". 

O mesmo oficial disse no sábado, para outra agência de notícias estatal, a Tasnim, que os documentos seriam enviados para a Ucrânia, onde especialistas especialistas franceses, norte-americanos e canadenses vão ajudar a analisar o material em Kiev.

 Há hesitação do governo de Teerã em enviar as caixas pretas para análise internacional por medo dos detalhes sobre o acidente que possam surgir, principalmente nos 20 segundos que separaram o primeiro do segundo impacto dos mísseis disparados pela bateria antiaérea que derrubou o avião. Em 8 de janeiro, a Guarda Revolucionária do Irã acidentalmente derrubou um avião de passageiros da Ukraine International Airlines que havia acabado de decolar de Teerã, matando todas as 176 pessoas a bordo. 

Horas antes, a Guarda havia lançado mísseis balísticos contra tropas dos Estados Unidos no Iraque em reposta ao ataque norte-americano que matou o comandante da Guarda Revolucionária do Irã, general Qassim Suleimani. Oficiais iranianos dizem que a aeronave foi confundida com um míssil de cruzeiro dos EUA. 

Inicialmente, o governo iraniano disse que a queda tinha sido provocada por problemas técnicos e convidou especialistas dos países que perderam cidadãos no acidente a ajudar nas investigações. Três dias depois, porém, o país admitiu a responsabilidade pelo acidente, após autoridades do Canadá, Reino Unido e EUA afirmarem ter fortes evidências de que a aeronave foi derrubada por um míssil de curto alcance disparado por militares iranianos. 

O avião era um Boeing 737-800 desenhado e construído nos EUA. O motor da aeronave foi desenvolvido pela CFM International, joint venture formada pelo grupo francês Safran e a norte-americana GE Aviation. Investigadores dos dois países já foram convidados para participar do inquérito.