Iranianos vão às ruas comemorar acordo nuclear

Iranianos vão às ruas comemorar acordo nuclear

Acordo impossibilita Teerã de construir bomba atômica

AFP

Centenas de pessoas começaram a se reunir na maior avenida de Teerã

publicidade

 Os iranianos foram às ruas de Teerã para comemorar o acordo sobre o programa nuclear concluído há poucas horas, nesta terça-feira, em Viena. A decisão foi entre seu país e as grandes potências. Pouco após a quebra do jejum do Ramadã, centenas de pessoas começaram a se reunir na maior avenida de Teerã, Valiye Asr, buzinando seus veículos.

"Talvez vá mudar" a situação econômica, "especialmente para os jovens", disse Giti, 42 anos, que já morou no Canadá e nos Estados Unidos e pensava em abandonar o Irã antes do acordo. "Queria partir, mas agora vou ficar e ver o que acontece". "Estamos felizes", disse exultante Parvaneh Farvadi, uma mulher de 32 anos. "Obrigado (Mohamad Javad) Zarif (chanceler iraniano). Gosto de John Kerry (secretário americano de Estado) e os dois fizeram muito por nós".

Para todos os habitantes de Teerã consultados não há dúvidas de que o acordo e a consequente suspensão das sanções internacionais provocarão um "boom" da economia iraniana e a melhoria de vida para a população.

"Tudo é como uma rede na qual todos estão conectados", declarou Ali Alizadeh, um desempregado de 42 anos, que estava no centro de Teerã quando ocorreu o anúncio. "Se uma fábrica ou uma loja de roupas como a que havia aqui antes puder reabrir, ao menos 20 pessoas terão emprego e 20 famílias poderão aproveitar da situação", acrescentou.

Irã e as grandes potências concluíram nesta terça-feira um acordo histórico que praticamente impossibilita Teerã de construir uma bomba atômica por vários anos, em troca da retirada das sanções internacionais que asfixiavam a economia do país. As sanções internacionais - adotadas desde 2006 pelos Estados Unidos, a União Europeia e a ONU - serão retiradas de maneira progressiva a partir de 2016 desde que a República Islâmica cumpra os compromissos.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895