Itália tem primeira redução de pacientes em UTIs por coronavírus
capa

Itália tem primeira redução de pacientes em UTIs por coronavírus

Total de doentes de Covid-19 em UTIs nos hospitais voltou a se situar abaixo de 4.000

Por
AFP

Total de doentes de Covid-19 em UTIs nos hospitais italianos voltou a se situar abaixo de 4.000

publicidade

O número de pacientes em unidades de terapia intensiva (UTIs) diminuiu pela primeira vez, na Itália, desde a explosão da pandemia do coronavírus há mais de um mês - anunciou a Proteção Civil neste sábado (4). De acordo com o chefe da entidade, Angelo Borrelli, o total de doentes de Covid-19 em UTIs nos hospitais italianos voltou a se situar abaixo de 4.000 (3.994, contra 4.068 da véspera).

"É uma notícia importante, porque permite aos nossos hospitais respirarem. É a primeira vez que este número cai desde que administramos esta crise", explicou.

A queda foi detectada em particular na Lombardia (norte), a região mais afetada, onde os hospitais estão lotados, com 1.326 pessoas em CTIs, ou seja, 50 a menos do que na véspera.

Segundo o balanço diário divulgado pelas autoridades, 681 pessoas morreram por causa da Covid-19 nas últimas 24 horas, um recuo de 10% na comparação com o dia anterior. Esse número de mortes "está em diminuição constante. Quero lembrar que (em 27 de março) alcançamos um teto, com cerca de 1.000 mortos", destacou Borrelli

Morre membro da guarda do premiê

Hoje, um membro da guarda do primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, morreu vítima do novo coronavírus. Giorgio Guastamacchia, de 52 anos, testou positivo para doença em 21 março. Na data, as autoridades italianas afirmaram que ele não havia tido contato direto com Conte nas duas semanas precedentes a esta ocorrência.

De qualquer forma, o chefe de governo foi submetido a um teste, que teve resultado negativo.