Johnson apresenta defesa de ideia para o Brexit

Johnson apresenta defesa de ideia para o Brexit

Primeiro-ministro tenta convencer deputados da aprovação de acordo

AFP

Primeiro-ministro espera alcançar acordo até fim do mês

publicidade

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que desde que chegou ao poder sofreu diversas derrotas no Parlamento, terá nesta quinta-feira a missão de tentar convencer os deputados com sua proposta de Brexit, que ele considera "razoável e construtiva". Depois de apresentar nessa quarta-feira à União Europeia (UE) o que chamou de "proposta final" do Reino Unido para alcançar um acordo de divórcio antes da data fatídica do Brexit, em 31 de outubro, Johnson comparecerá no fim da manhã à Câmara dos Comuns.

Desde que chegou ao poder no fim de julho, em substituição a Theresa May, o carismático e controverso primeiro-ministro acumula fracassos no Parlamento: sofreu uma rebelião da bancada conservadora, perdeu a maioria absoluta, viu a aprovação de uma lei que o obrigaria a solicitar um novo adiamento do Brexit e a rejeição de seu pedido de eleições antecipadas.

Também ganhou a inimizade de muitos deputados ao anunciar uma suspensão do Parlamento de cinco semanas, de 10 de setembro a 14 de outubro, denunciada como uma estratégia para amordaçar os opositores e que a justiça anulou por considerá-la ilegal. Mas com um otimismo que parece infatigável, Johnson continua afirmando aos quatro ventos que concretizará o Brexit no fim do mês e acredita que conseguirá um acordo.

Para alcançar a meta, o primeiro-ministro propõe resgatar o rejeitado Tratado de Retirada assinado em novembro por May com Bruxelas e modificar o ponto de maior conflito: como manter aberta a fronteira entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, país membro da UE. "São propostas razoáveis e construtivas", disse o primeiro-ministro no encerramento do congresso anual do Partido Conservador, nessa quarta-feira em Manchester.

A proposta de Johnson não é muito diferente das primeiras versões do Tratado de Retirada: a Irlanda do Norte permaneceria no mercado único europeu no que diz respeito às mercadorias, ao contrário do resto do país. Há alguns meses, este cenário era inaceitável para os unionistas norte-irlandeses do DUP, aliado chave de Johnson no Parlamento britânico. Mas a líder do partido, Arlene Foster, recebeu com satisfação a proposta de Johnson, que considerou uma boa base para futuras negociações.

A diferença fundamental em relação ao texto de May é que o plano de Johnson dá ao Parlamento autônomo norte-irlandês o poder de aceitar ou rejeitar as condições a cada quatro anos, algo que poderia enfrentar a oposição do governo de Dublin e de toda a UE. As autoridades europeias receberam com frieza a proposta e afirmaram que o texto contém pontos de conflito.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895