Kim Jong Un alerta para "grave situação" da economia norte-coreana

Kim Jong Un alerta para "grave situação" da economia norte-coreana

Dirigente do país asiático citou momento de "mudança decisiva" no desenvolvimento

Por
AFP

Economia norte-coreana registrou retração histórica de 4,1% em 2018


publicidade

O dirigente norte-coreano Kim Jong Un advertiu altos funcionários do partido governante sobre a "grave situação" que a economia do país enfrenta e pediu a adoção de medidas urgentes. Os comentários, divulgados nesta segunda-feira pela imprensa estatais, foram feitos durante o segundo dia de uma reunião de alto nível do partido, celebrada antes da data limite imposta pela Coreia do Norte para que o governo dos Estados Unidos mude sua postura sobre as negociações nucleares.

Kim, que presidiu a reunião, declarou que chegou o momento de uma "mudança decisiva" no desenvolvimento econômico do país. Ele apresentou aos funcionários "tarefas para corrigir de maneira urgente a grave situação dos principais setores industriais da economia nacional", informou a agência oficial KCNA.

Pyongyang não publica estatísticas econômicas próprias, o que deixa as estimativas externas como os únicos dados disponíveis sobre seu desempenho. Em julho, o Banco Central da Coreia do Sul calculou que a economia norte-coreana, afetada por sanções, registrou queda de 4,1% em 2018, na maior retração desde a fome devastadora da década de 1990.

As conversações sobre a desnuclearização da península coreana estão paralisadas em grande parte desde que a segunda reunião de cúpula entre Kim e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, terminou em fracasso no início do ano em Hanói.

O fracasso das negociações foi motivado por divergências sobre a retirada das sanções contra a Coreia do Norte, como resultado do fim dos testes nucleares e de mísseis do país. China e Rússia, os principais sócios econômicos da Coreia do Norte, desejam um alívio das sanções impostas pela ONU ao programa de armas nucleares do país.


Pyongyang deu prazo a Washington até o fim do ano para que apresente novas concessões. O comunicado da KCNA indica que a sessão plenária dos líderes do partido entraria no terceiro dia nesta segunda-feira, a primeira vez desde 1990 que dura mais de 48 horas.