Laboratório francês busca entre medicamentos existentes tratamento para coronavírus

Laboratório francês busca entre medicamentos existentes tratamento para coronavírus

Epidemia que já causou mais de 560 mortes tem milhares de infectados pelo mundo

AFP

Epidemia que já causou mais de 560 mortes tem milhares de infectados pelo mundo

publicidade

Um laboratório universitário francês espera encontrar um tratamento eficaz contra o novo coronavírus entre os medicamentos existentes, um método muito mais rápido e mais barato para desenvolver um tratamento contra esse vírus que já causou mais de 560 mortes. O laboratório, chamado VirPath, propõe essa estratégia original no âmbito do consórcio "REACTING", criado pelo Instituto Francês de Pesquisa Médica (Inserm) para lidar com crises de saúde como H5N1, ebola ou zika.

Quando a maioria dos laboratórios trabalha no desenvolvimento de uma vacina ou no teste dos poucos medicamentos antivirais disponíveis, o VirPath prefere procurar soluções entre os medicamentos usados para doenças que não têm nada a ver com uma infecção respiratória, como o novo vírus que apareceu na China, 2019-nCoV. Um dos casos mais conhecidos de reposicionamento de medicamentos é o Viagra, originalmente desenvolvido para angina, mas que posteriormente demonstrou outras propriedades. No laboratório do virPath, localizado em Lyon, no centro-leste da França, descobriram, por exemplo, que um medicamento prescrito para combater a hipertensão era muito eficaz contra todas as cepas da gripe.

Atualmente, estão na fase 2 dos ensaios clínicos e esperam angariar fundos para um estudo de fase 3, a fim de obter autorização de comercialização, explica Manuel Rosa-Calatrava, diretor de pesquisa do Inserm e vice-diretor do laboratório. O VirPath também reposicionou outros medicamentos contra vários vírus respiratórios, incluindo o MERS-CoV em 2013 e outros coronavírus, e agora está se preparando para testar a eficácia desses medicamentos e o da hipertensão no vírus 2019-nCoV. "Esperamos validar esses medicamentos muito rapidamente em um mês ou um mês e meio em nossos modelos pré-clínicos, a fim de propor uma solução terapêutica", disse Manuel Rosa-Calatrava.

Há uma semana, seus funcionários trabalham sete dias por semana para concluir a primeira etapa, que consiste em isolar o 2019-nCoV. O Instituto Pasteur, em Paris, foi o primeiro da Europa a alcançar esse feito no final de janeiro. "Começamos com amostras nasais de pacientes infectados internados no hospital Bichat em Paris", explicou um dos técnicos do laboratório. Preservado a -80ºC, o 2019-nCoV enriquecerá este laboratório que conserva vários dos vírus mais antigos, como o H1N1 WSN, isolado em Londres em 1933. Poucas pessoas estão qualificadas para trabalhar neste novo coronavírus e têm as chaves do "P3", um laboratório de segurança de nível 3. O "P3" está sob pressão negativa, ou seja, o ar entra, mas não pode sair. Portanto, não há risco de o vírus escapar.

O número de vítimas da epidemia causada pelo novo coronavírus na China aumentou para 563 mortos nesta quinta-feira e mais de 28.000 pessoas infectadas foram registradas. 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895