Legisladores de Maryland aprovam casamento gay

Legisladores de Maryland aprovam casamento gay

Governador do oitavo estado americano a permitir união entre pessoas do mesmo sexo disse que aprovará o projeto de lei

AFP

publicidade

Legisladores do estado de Maryland, leste dos Estados Unidos, aprovaram nesta quinta-feira um texto que legaliza os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, que deve ser promulgado pelo governador democrata do estado. O Senado estadual aprovou o texto por 25 a 22, que tinha sido aprovado anteriormente pela Câmara Baixa, segundo um site governamental.

Maryland se tornará assim o oitavo estado americano a permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo. O governador Martin O'Malley disse que aprovará o projeto de lei, mas ainda não estava claro quando isso deve ocorrer.

Até agora, sete estados americanos - Connecticut, Iowa, Massachusetts, New Hampshire, New York, Vermont e Washington - além do distrito de Columbia, permitem o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas a questão permanece controversa, especialmente em um ano eleitoral. Na semana passada, legisladores em Nova Jersey aprovaram uma lei legalizando casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas o governador republicano Chris Christie vetou o projeto, afirmando que o tema era tão importante que "devíamos deixar as pessoas de Nova Jersey decidirem".

Um grupo de 80 prefeitos americanos - incluindo o de Nova York, Michael Bloomberg, o de Chicago, Rahm Emanuel, de Los Angeles, Antonio Villaraigosa, e Annise Parker, de Houston - iniciaram no mês passado uma campanha para apoiar a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. O casamento gay foi brevemente autorizado na Califórnia em 2008, mas mais tarde foi banido em um referendo que reescreveu a constituição estadual para restringir o casamento a uniões entre um homem e uma mulher.

Uma corte de apelações federal americana declarou este mês que a decisão da Califórnia era inconstitucional. Oponentes devem apelar, e a legalidade dos casamentos gays deve ser decidida pela Suprema Corte.


Bookmark and Share

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895