México aplaude suspensão de muro fronteiriço decretada por Biden

México aplaude suspensão de muro fronteiriço decretada por Biden

Presidente dos Estados Unidos também apresentará um projeto ao Congresso, que permitirá a naturalização de uns 700 mil jovens que chegaram de forma irregular durante a infância, acompanhando seus pais

AFP

Biden também extinguiu restrições de viajantes de países de maioria muçulmana

publicidade

O governo mexicano saudou nessa quarta-feira a decisão do presidente americano, Joe Biden, de suspender a construção do muro na fronteira comum, determinada por seu antecessor, Donald Trump. "O México saúda o fim da construção do muro, a iniciativa migratória a favor do DACA (Ação Diferida para Chegadas de Infância)e um caminho rumo à dupla cidadania", escreveu no Twitter o chanceler mexicano, Marcelo Ebrard.

"Como escreveu o presidente López Obrador há alguns anos ao agora presidente Joe Biden, as pontes abrem caminho para a cooperação e o entendimento", acrescentou.

Biden assinou nesta quarta-feira um decreto determinando suspender a construção do muro fronteiriço e apresentará um projeto ao Congresso, que permitirá a naturalização de uns 700 mil jovens que chegaram de forma irregular durante a infância, acompanhando seus pais, um grupo conhecido como "dreamers" (sonhadores). O governo de Barack Obama havia instaurado um programa conhecido como DACA, que protegia da deportação estes jovens e que o governo Trump queria suspender. 

Mais cedo, o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, desejou a Joe Biden sucesso em seu mandato nos Estados Unidos, disse compartilhar as prioridades do democrata e destacou que a cooperação binacional deve ser respeitosa da soberania.

"Concordo com suas três propostas principais (...) São muito importantes: o [combate à] pandemia, a reativação econômica e a migração. E já desejando ao presidente Biden que saia muito bem em sua gestão", disse López Obrador nesta quarta-feira, ao iniciar sua coletiva de imprensa matutina.

López Obrador, que teve uma relação estreita com o ex-presidente, o republicano Donald Trump, foi um dos últimos a cumprimentar Joe Biden pela vitória nas eleições de novembro, aguardando a reunião e a confirmação do Colégio Eleitoral, em 14 de dezembro. À pergunta dos jornalistas, López Obrador afirmou que com Trump teve uma "boa relação em benefício do México" e que sempre foi respeitoso com a soberania mexicana.

Ele confiou em que a relação com Biden "será muito boa" e destacou que a cooperação deve ser "ordenada e respeitosa, que não haja ingerência". Analistas e opositores advertiram, no entanto, que entre o governo de López Obrador e o de Biden poderiam surgir diferenças nas áreas trabalhista, energética, agrícola e ambiental.

Uma das grandes bandeiras que elegeram o agora ex-presidente Donald Trump em 2016, a construção do muro entre os Estados Unidos e o México está suspensa por decreto assinado nesta quarta-feira, 20, pelo novo presidente americano, Joe Biden, cumprindo promessa de campanha. A revelação foi feita pela porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki. 

A interrupção da construção do muro na fronteira mexicana foi um dos vários decretos assinados por Biden no dia de sua posse. Em um "choque de gestão", três deles ganharam a assinatura do novo presidente frente às câmeras: a volta dos EUA ao Acordo Climático de Paris, o compromisso do governo com minorias e a obrigatoriedade de uso de máscaras e manutenção de distanciamento social em áreas comandadas pelo governo federal. 

De acordo com a porta-voz Jen Psaki, Biden também extinguiu restrições de viajantes de países de maioria muçulmana. Ela ainda afirmou que o novo governo quer fortalecer as restrições nucleares ao Irã e disse não ter conhecimento de planos do democrata de entrar em contato telefônico com o presidente da Rússia, Vladmir Putin. EUA e Rússia têm relações tensas desde relatos de envolvimento de Moscou nas eleições presidenciais americanas de 2016.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895