Manifestantes encapuzados incendeiam igrejas durante protesto em Santiago

Manifestantes encapuzados incendeiam igrejas durante protesto em Santiago

Manifestação aconteceu uma semana antes do plebiscito em que os chilenos vão decidir se mudam ou não a Constituição

AFP

Ao menos dois templos religiosos foram atacados neste domingo

publicidade

A Igreja da Assunção, nas proximidades da Praça Itália em Santiago, foi completamente incendiada no domingo depois de ser atacada por encapuzados em meio a uma grande manifestação pelo primeiro aniversário do início dos protestos sociais no Chile. A pequena igreja foi o segundo templo a ser atacado durante este dia de protestos em Santiago. Quando a cúpula pegou fogo após o desabamento da estrutura, vários manifestantes comemoraram.

A estrutura foi atacada por manifestantes encapuzados no momento em que várias horas de manifestação pacífica ocorreram ao redor da Praça Itália, onde eles comemoraram o início dos protestos de 18 de outubro de 2019. Quando a igreja pegou fogo, bombeiros e equipes de resgate fizeram uma cerca para evitar que o colapso da estrutura atingisse as pessoas.

"Deixa cair, deixa cair", gritaram alguns encapuzados, que festejaram a subsequente queda da cúpula da igrejinha, também conhecida como "freguesia dos artistas", segundo a imprensa chilena. Antes, bem próximo ao local onde ocorreu o incêndio, outro templo, dos "Carabineros", foi saqueado e queimado, mas os bombeiros conseguiram apagar as chamas antes que elas causassem maiores danos. "Queimar igrejas é uma expressão de brutalidade", afirmou o ministro do Interior e Segurança, Víctor Pérez, ao destacar que durante o dia a polícia protegeu as estações de metrô de Santiago, os ônibus do transporte público e outros alvos dos violentos ataques do ano passado.

O ministro disse que "grupos minoritários" dentro da manifestação foram responsáveis pelos atos de violência. Desde cedo, os manifestantes - na maioria jovens, mas também famílias e idosos - compareceram à Praça Itália, rebatizada pelos manifestantes como "Praça da Dignidade", para comemorar o dia em que "o Chile acordou", como afirmam os manifestantes, mas também para se reunir novamente em um grande protesto após meses de pausa devido à pandemia.

Embora a Polícia tenha chegado cedo ao local, parte do efetivo se retirou com o aumento do número de manifestantes na praça, coberta por cartazes e bandeiras. Somente no começo da noite, alguns efetivos retornaram. A manifestação de domingo aconteceu uma semana antes do plebiscito em que os chilenos vão decidir se mudam ou não a Constituição que permanece como herança da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

O referendo foi convocado após um amplo acordo político alcançado após semanas de protestos violentos no ano passado. Várias pesquisas apontam que a opção de aprovar a mudança constitucional poderá vencer com mais de 60% dos votos, após um ano em que a demanda por maior bem-estar social tem um apoio transversal na sociedade, além de uma forte condenação à violência nas ruas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895