Moçambique tem pacote de medidas para reduzir impactos de ciclone
capa

Moçambique tem pacote de medidas para reduzir impactos de ciclone

País ainda vive surto de cólera com mais de 130 registros na cidade de Beira

Por
Agência Brasil

Entre ações estão redução de taxas em eletricidade, transporte e assistência médica gratuita

publicidade

Um pacote de medidas será implementado em Moçambique para reduzir os impactos sociais, materiais e econômicos decorrentes da passagem do Ciclone Idai. A tempestade deixou 468 mortos e mais de 1,5 mil feridos no país. Entre as ações estão redução de taxas em eletricidade e transportes e assistência médica gratuita, além de uma campanha de vacinação contra o cólera - que já regista mais de 130 casos na cidade da Beira.

As medidas serão implantadas até o fim do ano. "Conscientes dos danos humanos, materiais e financeiros causados por este desastre natural, o meu governo, no quadro da lei de calamidades naturais, aprovou um pacote de medidas iniciais que irão mitigar impactos nos setores sociais e econômicos nas áreas afetadas", disse, na última quinta-feira, o presidente de Moçambique, Filipe Nyusi.

Leia mais sobre Moçambique

Em relação à eletricidade, o valor da fatura da indústria e comércio será reduzido para a metade. Nos transportes ferroviários, o governo moçambicano também vai reduzir em 50% as tarifas para os passageiros nas linhas de Sena e Machipanda, que atravessam a região centro, bem como no transporte de materiais de construção. Para os alunos afetados, o governo decidiu redistribuir livros e cadernos escolares. E os agricultores vão beneficiar de uma distribuição gratuita de mil toneladas de sementes, além de 100 mil utensílios agrícolas.

 

Ajuda humanitária

 

Com o término das operações de salvamento, a fase que se segue é a de assistência humanitária às famílias afetadas, com destaque para a prestação de cuidados de saúde, alimentação, abrigo e saneamento. De acordo com Filipe Nyusi, as instituições nacionais e internacionais vão trabalhar "para otimizar os recursos disponíveis de forma transparente para que cheguem aos que realmente necessitam". O chefe de Estado também afirmou que o governo moçambicano vai trabalhar com uma agência internacional para a gestão dos recursos destinados às vítimas do ciclone.