Morre o pai da arquitetura moderna iraquiana por coronavírus

Morre o pai da arquitetura moderna iraquiana por coronavírus

Rifat Chadirji, morreu na noite de sexta-feira, aos 93 anos, na Grã-Bretanha, onde morava

Por
AFP

Chadirji trabalhou em todas as obras monumentais do Iraque entre 1950 e 1980


publicidade

O pai da arquitetura moderna iraquiana, Rifat Chadirji, morreu na noite de sexta-feira, aos 93 anos, na Grã-Bretanha, onde morava. Ele foi vítima do novo coronavírus, anunciaram neste sábado autoridades e especialistas.

Chadirji, que também era fotógrafo, trabalhou em todas as obras monumentais do Iraque entre 1950 e 1980. Entre elas, o Monumento da Liberdade, na Praça Tahrir, epicentro da recente revolta popular em Bagdá. Ele também projetou a sede recentemente demolida da Companhia Nacional de Seguros de Mossul. Foi do alto deste edifício que acusados de homossexualidade foram lançados por extremistas do grupo Estado Islâmico (EI).

O presidente iraquiano Barham Saleh o definiu como "uma das maiores vozes modernas da arquitetura iraquiana e mundial". O primeiro-ministro interino, Adel Abdel Mahdi, disse que ele deixa "uma marca e uma escola para gerações de artistas e arquitetos". "Se vai uma gigante figura do século 20 no Iraque, os quais são contados com os dedos de uma mão", disse à AFP Caecilia Pieri, pesquisadora do Instituto Francês do Oriente Médio (IFPO).

Nascido em uma família patriota de Bagdá em 1926, Chadirji estudou em Londres e retornou à cidade natal em 1952. Após liderar um golpe contra a realeza, o primeiro-ministro Abdelkarim Qasem o contratou para construir o monumento ao soldado desconhecido na praça Firdaous.

Ao chegar ao poder em 1979, Saddam Hussein destruiu a obra e a substituiu por uma estátua de si mesmo e enviou Chadirji para a prisão de Abu Ghraib. Ironicamente, ele deixou o presídio 20 meses depois porque o mesmo ditador pediu que o melhor arquiteto do país preparasse Bagdá para uma conferência internacional.


Após um longo exílio em Beirute e outros lugares, ele retornou ao Iraque em 2009 e encontrou um país devastado por décadas de guerra, embargo internacional e má administração que deixaram infraestruturas e edifícios destruídos.