Morte de dezenas de vacas envenenadas na Itália pode ter sido causada pela seca

Morte de dezenas de vacas envenenadas na Itália pode ter sido causada pela seca

Em agosto, 50 vacas piemontesas sofreram intoxicação aguda por durrina

AFP

Em agosto, 50 vacas piemontesas sofreram intoxicação aguda por durrina

publicidade

A morte surpreendente no início de agosto de dezenas de vacas envenenadas por sorgo na Itália aparentemente foi causada pela seca que afeta o país, disse um cientista à AFP nesta quinta-feira (18).

Em 6 de agosto, 50 vacas piemontesas de uma fazenda em Sommariva del Bosco, perto de Turim, na região de Piemonte, sofreram intoxicação aguda por durrina. O agente causa intoxicação por cianeto de hidrogênio em bovinos e está presente naturalmente em plantas jovens de sorgo.

"Suspeitamos que a seca seja responsável pela grande quantidade de durrina descoberta em plantas de sorgo", explicou à AFP Stefano Giantin, veterinário do Instituto Zooprofilático Experimental de Piemonte, Ligúria e Val d'Aosta.

O sorgo pode ocasionalmente produzir toxicidade devido ao ácido cianídrico produzido pela durrina e, como a quantidade desta substância é grande nos estágios iniciais do crescimento da planta, sua toxicidade é alta. A morte do animal ocorre dentro de 15 a 30 minutos após a ingestão, com distúrbios respiratórios, nervosos e musculares, acompanhados de tremores e convulsões.

A durrina também é um meio de autodefesa contra insetos herbívoros: quando hidrolisa no estômago de ruminantes, libera cianeto de hidrogênio. "Normalmente, não leva à morte", enfatiza Giantin.

No entanto, nas plantas de sorgo de Sommariva del Bosco, as análises registraram que a concentração de durrina era de 10.717 mg/kg, quantidade considerada "muito anormal" por Giantin. Um número alto devido ao estresse hídrico, ou seja, a seca que afeta a Itália e a Europa em geral, segundo as primeiras análises.

Nos animais que morreram em Sommariva, a quantidade de cianeto de hidrogênio foi superior a 900 mg/kg, enquanto uma dose superior a 700 mg/kg é considerada fatal para o gado. A única maneira de evitar a morte desses animais é injetar rapidamente tiossulfato de sódio, que tem o efeito de neutralizar o cianeto.

Este antídoto permitiu salvar trinta cabeças de gado em 11 de agosto, quando o mesmo fenômeno foi registrado em três fazendas de Piemonte, o que causou a morte de 14 vacas.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895