Mortos encontrados em caminhão no Reino Unido eram chineses, diz imprensa britânica
capa

Mortos encontrados em caminhão no Reino Unido eram chineses, diz imprensa britânica

Descoberta dos corpos desencadeou investigações na Irlanda do Norte

Por
AFP

Os 39 corpos foram encontrados em caminhão frigorífico próximo a Londres

publicidade

Os 39 mortos encontrados em um caminhão frigorífico perto de Londres na madrugada de quarta-feira eram cidadãos chineses, informou nesta quinta-feira a imprensa britânica. A tragédia faz recordar um incidente parecido datado de junho de 2000, quando 58 chineses em situação irregular foram encontrados mortos asfixiados em um caminhão no porto de Douvres (sul da Inglaterra).

O veículo havia chegado por volta da meia-noite de quarta-feira ao porto de Purfleet, na margem do rio Tâmisa, procedente da cidade belga de Zeebrugge, informou a polícia britânica na noite da descoberta. Esta travessia marítima dura nove horas, segundo o site da empresa que realiza o percurso. Após chegar ao porto Purfleet, o caminhão estacionou na área de Thurrock, logo após as 0h30min de hoje (23)", informou a polícia.

O caminhão foi emplacado na Bulgária em 2017, em nome da empresa de uma irlandesa, informaram as autoridades de Sófia. Desde então, jamais retornou ao país, segundo o premier búlgaro, Boyko Borisov. "O caminhão será levado para um local seguro no porto de Tilbury para a retirada dos corpos, preservando a dignidade das vítimas", revelou a vice-comissária da polícia Pippa Mills em entrevista coletiva.

Investigações

A polícia britânica fez operações de busca em duas propriedades na Irlanda do Norte na quarta-feira à noite, após a descoberta na Inglaterra de um caminhão frigorífico com 39 corpos que ainda estão sendo identificados. Ao mesmo tempo, o Ministério Público Federal da Bélgica informou que o contêiner do caminhão passou por Zeebrugge na terça-feira 22 de outubro.

Na quarta-feira, a polícia britânica foi alertada durante a madrugada pelo serviço de emergência sobre os cadáveres encontrados em uma zona industrial de Grays, Essex, a 30 quilômetros de Londres. O motorista, de 25 anos e procedente da Irlanda do Norte, foi detido por suspeita de assassinato.

A imprensa britânica identificou o motorista e informou que seu nome é Mo Robinson, residente da cidade norte-irlandesa de Portadown, no condado de Armagh. Foi neste condado que aconteceu a operação de quarta-feira à noite. Questionada pela reportagem, a polícia não confirmou o nome. A rota do caminhão está sendo determinada.

De acordo com a polícia britânica o reboque do caminhão chegou aproximadamente às 23h30min GMT de segunda-feira a Purfleet, porto do Tâmisa, procedente de Zeebrugge, Bélgica, enquanto a cabine partiu da Irlanda do Norte. As autoridades búlgaras também confirmaram o emplacamento do veículo na Bulgária em 2017, mas afirmaram que o veículo não retornou ao país desde então.

"Não há conexão, apenas com as placas", declarou o primeiro-ministro búlgaro Boyko Borissov. Até o momento não foram divulgadas informações sobre a origem das vítimas nem se elas seriam migrantes. De acordo com os primeiros elementos da investigação seriam 38 adultos e um adolescente. A tragédia motivou pedidos de luta contra os traficantes de seres humanos.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson considerou o ocorrido uma "tragédia inimaginável". Na quarta-feira, a polícia de Kent também anunciou que localizou e transferiu para as autoridades de imigração nove pessoas encontradas vivas em um caminhão em uma rodovia ao Sudeste de Londres.