Mulheres e crianças começam a deixar campo de deslocados na Síria para voltar para casa

Mulheres e crianças começam a deixar campo de deslocados na Síria para voltar para casa

Cerca de 800 pessoas deixaram acampamento de Al Hol para retornarem aos locais

AFP

Trata-se da primeira iniciativa deste tipo no campo, que reúne 74 mil pessoas, de acordo com a ONU

publicidade

Cerca de 800 mulheres e crianças sírias começaram a deixar nesta segunda-feira o campo de deslocados de Al Hol, no nordeste da Síria, para voltar para suas casas, a primeira operação do tipo conduzida pelas autoridades curdas. O local abriga principalmente famílias de membros do grupo extremista Estado Islâmico (EI),e a medida ocorrerá a pedido - e com as garantias - de chefes tribais e autoridades locais. Trata-se da primeira iniciativa deste tipo no campo, que reúne 74 mil pessoas, de acordo com a ONU.

Mais de 30 mil sírios vivem ali, especialmente mulheres. O objetivo de longo prazo é que todos deixem o campo. Um repórter da Agence France Press (AFP) viu 17 ônibus lotados de mulheres e crianças, deixando o acampamento. Devem ser levadas para as regiões de Raqa e Tabqa, no norte da Síria, onde se encontrarão com parentes, acrescentaram as autoridades curdas.

Sob grandes tendas brancas, as mulheres e crianças, algumas em lágrimas, esperavam sob o sol escaldante por sua vez de entrar em um ônibus. As forças encarregadas da segurança do campo organizaram filas para registrar as mulheres. "Vamos supervisionar o comportamento das mulheres e se eram pessoas que faziam parte de famílias do grupo EI", explicou um autoridades curda. Também se prevê a retirada de civis que fugiram dos combates e não têm relação com os extremistas deste campo.

"É o dever de nosso governo com nosso povo ter um papel na reeducação dessas crianças e mulheres, e sua reinserção natural na sociedade", declarou Al Mehbash. As operações ocorrem após a festa do fim do Ramadã, nos próximos dias.

Depois de proclamar sua vitória em março contra o "califado" do EI na Síria, as autoridades curdas apoiadas por Washington continuam a enfrentar grandes desafios, especialmente a difícil situação nos campos superlotados do nordeste sírio. Rm muitas ocasiões, as autoridades curdas denunciaram a situação em Al Hol, exigindo mais ajuda internacional. As ONGs também criticaram as difíceis condições de vida, com casos de desnutrição aguda entre crianças e falta de atenção médica.

 


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895