Negociador da UE diz que Brexit sem acordo é "mais provável"

Negociador da UE diz que Brexit sem acordo é "mais provável"

Na segunda-feira, o Parlamento britânico rejeitou todas as opções do texto defendidas por Theresa May

Agência Brasil

Londres e Bruxelas enfrentam embate para chegar em um consenso sobre o Brexit

publicidade

O negociador-chefe da União Europeia (UE) para o Brexit, Michel Barnier, acredita que o cenário de saída do Reino Unido sem acordo é agora mais provável, depois dos últimos fatos na política interna britânica. Em Bruxelas, Barnier disse nesta terça-feira que será necessário um "voto positivo" na Câmara dos Comuns" para evitar um "hard Brexit" em 12 de abril. Os avisos de Bruxelas chegam um dia depois da nova votação inconclusiva por parte do Parlamento britânico, que nessa segunda-feira rejeitou quatro alternativas ao acordo proposto pela primeira-ministra Theresa May.

"Nunca quisemos o cenário sem acordo. Mas a União Europeia já está pronta. Fica mais claro a cada dia", disse o negociador durante evento do think-thank European Policy Centre, na capital belga.

Ele citou cenários possíveis para a saída do Reino Unido da UE: chegar a acordo esta semana sobre o entendimento proposto por Theresa May, a uma variação dessa proposta, a uma saída sem acordo, ou à extensão do Artigo 50, este que, na sua opinião, necessitaria de forte justificativa.

• Leia mais sobre o Brexit

De acordo com Michel Barnier, uma nova extensão do prazo "traria riscos significativos para a União Europeia, e por isso seria necessária uma forte justificação".

O jornal The Guardian destaca que, de acordo com os sinais que a União Europeia tem enviado, um adiamento para depois de 12 de abril, ou 22 de maio, só seria possível em caso de marcação de eleições antecipadas ou com a realização de um segundo referendo.

Nessa segunda, os deputados britânicos rejeitaram as quatro opções alternativas ao acordo de saída do Reino Unido da União Europeia, defendido pela primeira-ministra Theresa May. Na quarta-feira da semana passada, foram a votação oito alternativas a esse documento, sendo que todas foram vetadas pelos deputados britânicos.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895