Negro puxado por uma corda por policiais processa cidade do Texas

Negro puxado por uma corda por policiais processa cidade do Texas

Donald Neely foi detido em agosto de 2019 por invasão de propriedade por dois agentes da polícia montada

AFP

publicidade

Um homem negro que foi detido e depois puxado com uma corda por dois policiais brancos do Texas decidiu processar a cidade americana de Galveston por um milhão de dólares em danos e prejuízos, informou sua advogada.

Donald Neely foi detido em agosto de 2019 por invasão de propriedade por dois agentes da polícia montada, que o algemaram, amarraram uma corda e o levaram desta maneira. A imagem provocou indignação e foi uma recordação dolorosa de alguns momentos mais sombrios do passado racista dos Estados Unidos, incluindo o acorrentamento de escravos e o linchamento de negros no sul do país.

Neely foi conduzido a pé por uma corda por vários quarteirões no centro da cidade costeira do Texas, sob os olhares de várias pessoas, algumas das quais fotografaram o incidente. Uma foto em particular viralizou nas redes sociais e provocou indignação pelo tratamento degradante ao homem detido.

Em uma ação apresentada em 7 de outubro, Neely afirma que o tratamento da polícia foi "extremo e indigno". "Neely sentiu que era exibido como se fosse um escravo", afirma a demanda, que destaca que o detido sofreu humilhação e medo pelas ações dos policiais. Ele está solicitando um milhão de dólares como forma de compensação.

"O que aconteceu com Donald simplesmente foi errado", disse a advogada Julie Ketterman, "Ele quer fazer todo o possível para assegurar que não aconteça com mais ninguém". No momento da detenção, Neely, que sofre de problemas de saúde mental, era um morador de rua. Os dois policiais o encontraram dormindo na entrada de um prédio.

O chefe de polícia de Galveston, Vernon Hale, que também é afro-americano, afirmou que os policiais recebem treinamento para a técnica utilizada, mas que a força de segurança decidiu interromper o uso e pediu desculpas a Neely.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895