Netanyahu conversa com Putin após crise de avião russo derrubado na Síria

Netanyahu conversa com Putin após crise de avião russo derrubado na Síria

Lider israelense pediu que coordenação de investigações seja mantida entre os dois países

EFE

Primeiro-ministro comunicou estar decidido a conter avanço militar na região

publicidade

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, conversou nesta terça-feira por telefone com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, após um avião russo ser derrubado na Síria por um míssil da defesa antiaérea do país árabe que respondia a um ataque aéreo israelense.

Netanyahu "expressou seu pesar pela morte dos militares russos que estavam na aeronave e disse que a Síria era responsável pela queda do avião", afirmou o escritório do premiê em nota. O chefe do governo israelense "ressaltou a importância de manter a coordenação de segurança entre Israel e Rússia, que conseguiu impedir muitas perdas de ambos os lados nos últimos três anos", acrescenta o comunicado.

Netanyahu também ressaltou a Putin que Israel "está decidido a conter o avanço militar do Irã na Síria e as tentativas do Irã, que quer a destruição de Israel, de dar ao Hezbollah (milícia xiita libanesa) armas letais contra Israel".

O primeiro-ministro também comunicou ao presidente russo que está disposto a dar todos os detalhes necessários para a investigação do incidente e sugeriu uma visita a Moscou do comandante da Força Aérea israelense. O Ministério das Relações Exteriores de Israel confirmou hoje que sua embaixadora adjunta em Moscou, Keren Cohen-Gat, foi convocada pelas autoridades diplomáticas russas para dar explicações sobre o ocorrido.

Em nota, o exército israelense responsabilizou o regime sírio de Bashar al Assad pela derrubada do avião militar russo na Síria, depois que Moscou acusou Israel de provocar o incidente. "Israel atribui ao regime de Assad, cujo exército disparou contra o avião russo, a total responsabilidade por este incidente. O Irã e o grupo terrorista Hezbollah também são responsáveis", aponta o comunicado. Segundo Moscou, Israel "criou de maneira premeditada uma situação perigosa para os navios e aeronaves que estavam na região", o que por fim provocou a queda do avião modelo Il-20 e a morte de seus 15 ocupantes.

O exército israelense acusa Damasco de disparar "indiscriminadamente" e de forma "inexata", mas confirma que ontem à noite sua realizou um ataque aéreo contra uma instalação das Forças Armadas da Síria "de onde seriam transferidos sistemas de fabricação de armas precisas e letais em nome do Irã para o Hezbollah no Líbano". "Estas armas estavam destinadas a atacar Israel e representavam uma ameaça intolerável", diz a nota militar.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895