Nova variante do coronavírus é encontrada em brasileiros em Tóquio, diz governo japonês

Nova variante do coronavírus é encontrada em brasileiros em Tóquio, diz governo japonês

Grupo de quatro viajantes do Amazonas chegou à ilha asiática pelo aeroporto de Haneda, no dia 2 de janeiro

AE e Correio do Povo

Eles testaram positivo durante na quarentena obrigatória

publicidade

O Ministério da Saúde do Japão anunciou neste domingo que uma nova variante do coronavírus, diferente da encontrada no Reino Unido e na África do Sul, foi detectada em quatro viajantes do Estado do Amazonas que chegaram em Tóquio pelo aeroporto Haneda, no dia 2 de janeiro. Este é mais um caso que mostra a evolução do vírus que provocou a pandemia da Covid-19. Dos quatro viajantes, um homem na faixa dos 40 anos de idade apresentou problemas respiratórios, uma mulher de cerca de 30 anos relatou dor de cabeça e garganta e um adolescente teve febre.

Segundo o governo do Japão, a outra brasileira, uma adolescente, não apresentou sintomas. "Até o momento, não há indícios que mostram que a nova variante encontrada nos brasileiros é altamente infecciosa", disse Takaji Wakita, chefe do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão. No Japão, o Instituto conduz quarentena em aeroportos e análise do genoma de vírus detectados em pessoas infectadas.

Esse vírus tem algumas partes em comum com aqueles prevalentes no Reino Unido e na África do Sul, mas tem uma mutação diferente. O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas está investigando em detalhes se há algum efeito na infectividade ou eficácia da vacina. "Embora tenha algo em comum com as variantes na Grã-Bretanha e na África do Sul, achamos que uma nova diferente foi encontrada. Examinaremos suas propriedades no futuro", afirmou Wakita. 

Por outro lado, de acordo com o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, a variante britânica foi encontrada até o dia 10 em três homens e mulheres na faixa dos 20 anos que vivem em Tóquio infectados com a nova corona. Dois deles não tinham histórico de viagens para o Reino Unido e eram contatos próximos que comiam e bebiam com pessoas infectadas que haviam permanecido no Reino Unido. Um total de 34 pessoas foram confirmadas como infectadas com a espécie mutante no Japão.

Um oficial do ministério disse que estudos estão em andamento para determinar a eficácia das vacinas contra a nova variante, que é diferente das encontradas no Reino Unido e na África do Sul e levaram à disparada de novos casos – nessas, o imunizante desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech se mostrou eficaz. As conclusões são de um estudo clínico conduzido pela Pfizer e pela Universidade of Texas Medical Branch, mas que não foi revisado por pares.

Após o crescimento no número de novos casos de coronavírus, na última semana, o Japão declarou estado de emergência em Tóquio e cidades ao redor da capital nesta quinta-feiraO país já soma quase 290 mil casos de covid-19, com 4.061 óbitos em decorrência da doença.

Veja Também

Outras variantes

As variantes do coronavírus originárias do Reino Unido e da África do Sul compartilham uma mutação comum chamada N501Y, uma leve alteração na proteína spike que envolve o vírus. Acredita-se que essa mudança é a razão pela qual eles se disseminam tão rapidamente. A variante já foi detectada em São Paulo, em dezembro. A maior parte das vacinas sendo lançadas no mundo treina o corpo para reconhecer essa proteína e combatê-la.

Nesta semana, a farmacêutica Pfizer divulgou os resultados de um estudo que mostrou a eficácia da vacina da empresa contra 16 novas variantes. No entanto, a pesquisa ainda precisa incluir outras mutações. Na África do Sul, por exemplo, a variante tem uma mutação adicional, chamada E484K, já identificada em amostras no Rio de Janeiro e Bahia. A A E484K não estava entre as testadas na pesquisa. A farmacêutica diz que ela é a próxima da lista.

O caso registrado na Bahia é de uma profissional de saúde que foi reinfectada pelo coronavírus em outubro. Ela não tinha histórico de viagem à África do Sul e também revelou aos pesquisadores não saber se alguém com quem teve contato esteve no país.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895