Nova York fica otimista com primeira queda diária em pacientes na UTI

Nova York fica otimista com primeira queda diária em pacientes na UTI

Governador disse que foram registrados 17 pacientes a menos

Agência Brasil

Primeira queda foi registrada nesta sexta-feira

publicidade

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse nesta sexta-feira (10) que o número de pacientes com coronavírus em unidades de terapia intensiva UTIs) em todo o estado caiu nessa quinta-feira, em um sinal de esperança de que o aumento das internações em UTIs esteja diminuindo.

Cuomo afirmou que havia 17 pacientes a menos nas unidades de terapia intensiva do estado ontem do que no dia anterior. Foi a primeira queda diária desde o início da epidemia e um indício de que as medidas de distanciamento social estão reduzindo com sucesso a propagação do vírus.

Nova York, epicentro da epidemia nos Estados Unidos (EUA), registrou 7.844 mortes por covid-19, a doença respiratória causada pelo novo coronavírus, quase metade do total no país.

"O que fazemos afetará, literalmente, a vida e a morte de centenas de pessoas", disse Cuomo a jornalistas, acrescentando que as autoridades estaduais estavam "cautelosamente otimistas" com a redução de algumas tendências de hospitalização.

"Continuem fazendo o que estamos fazendo. Fiquem em casa porque isso funciona. Estamos achatando a curva", declarou.

Houve 290 novas internações hospitalares em um dia, acima das 200 do dia anterior, mas muito menos do que uma semana atrás, quando mais de 1.400 nova-iorquinos foram hospitalizados por causa do coronavírus em um dia, segundo Cuomo.

O número diário de mortes em Nova York por coronavírus continua por volta dos 700, com 777 mortes registradas no último dia em comparação a 799 no dia anterior.

Embora Nova York tenha testado cerca de 390 mil pessoas para o coronavírus, mais do que qualquer outro estado dos EUA, Cuomo disse que a disponibilidade limitada de testes pode atrasar a reabertura de empresas e viagens.

O governo federal deveria usar a Lei de Produção de Defesa para aumentar a capacidade de exames nos EUA, disse ele, acrescentando que Nova York, Connecticut e Nova Jersey se unirão a qualquer esforço para ampliar os testes.

"Precisamos de uma mobilização sem precedentes, em que o governo possa produzir esses testes na casa dos milhões", afirmou Cuomo.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895