Nova York proíbe venda de armas semiautomáticas para menores de 21 anos

Nova York proíbe venda de armas semiautomáticas para menores de 21 anos

Em tempo recorde, parlamentares aprovaram projeto posto em votação após os massacres de Buffalo e Uvalde, com 29 mortos

R7

Americanos protestam contra violência

publicidade

O estado de Nova York proibiu a venda de armas semiautomáticas a menores de 21 anos, na tentativa de diminuir a violência após os recentes massacres de adolescentes em Buffalo e Uvalde. Até agora, a idade mínima para adquirir essas armas era de 18 anos.

A governadora do estado, a democrata Kathy Hochul, assinou nesta segunda-feira (6) um pacote de medidas aprovado em tempo recorde pelo parlamento estadual, que também inclui a proibição de venda de coletes à prova de balas e capacetes de proteção para pessoas que não exercem determinadas profissões.

"A violência das armas de fogo é uma epidemia que está dilacerando nosso país", disse a governadora, acompanhada pelos líderes da Câmara — que viabilizaram a aprovação do pacote — e por autoridades locais, como a promotora Letitia James.

Hochul exortou o Congresso federal a "liderar e tomar medidas imediatas" de prevenção significativas contra a violência com armas, considerando que se trata de um "problema nacional". "Vidas dependem disso", insistiu.

Só no último fim de semana, dez mortos e mais de 20 feridos foram contabilizados em uma série de tiroteios em todo o país.

De acordo com uma pesquisa da CBS News, a maioria dos americanos é a favor de regras mais rígidas sobre a posse de armas, com 81% apoiando a verificação de antecedentes de todos os potenciais compradores.

Diante da onda de violência por armas de fogo, o presidente Joe Biden, também democrata, atacou mais uma vez os republicanos que se opõem à restrição da venda de armas e lamentou o fato de lugares como escolas ou hospitais "terem se tornado campos de extermínio, campos de batalha".

No domingo, o presidente voltou a dizer "Chega". "Se não podemos proibir armas de assalto como deveríamos, devemos pelo menos aumentar a idade para 21" para comprá-las, tuitou.
A violência armada nos Estados Unidos matou mais de 18 mil pessoas até agora em 2022, incluindo quase 10.300 suicídios, de acordo com o Gun Violence Archive.

Os incidentes mais graves até agora são o tiroteio em massa por um supremacista branco de 18 anos em um supermercado em Buffalo, no estado de Nova York, em 14 de maio, no qual dez afro-americanos foram mortos; e o tiroteio dez dias depois em uma escola em Uvalde, no estado do Texas, pelas mãos de um jovem de 18 anos que matou 19 crianças e dois professores.

Em 2020, havia cerca de 393 milhões de armas de fogo em circulação nos Estados Unidos, mais do que a população do país.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895