Novo aumento de casos de Covid-19 gera preocupação na Alemanha

Novo aumento de casos de Covid-19 gera preocupação na Alemanha

Chanceler Angela Merkel lamentou que o relaxamento de restrições nos últimos meses levou novamente a "um certo desleixo"

AFP

Merkel advertiu que seria necessário tomar medidas rapidamente

publicidade

Os temores pelo surgimento de uma nova onda de Covid-19 voltaram a ganhar corpo na Alemanha, que registra um aumento no número de diagnósticos positivos, surtos em casas de repouso e uma campanha de vacinação estagnada, enquanto o país espera pela formação de um novo governo.

A chanceler Angela Merkel, que está nos últimos dias de seu mandato e ocupa a chefia do Executivo interinamente, até que o social-democrata Olaf Scholz forme um novo governo, deu voz a essa preocupação no último fim de semana. "Estou muito preocupada com a evolução atual nos hospitais, e o número de mortes (...) deveria preocupar a todos nós", declarou a chanceler durante a cúpula do G20 em Roma, na Itália.

Merkel lamentou que o relaxamento de muitas das restrições nos últimos meses levou novamente a "um certo desleixo".

Fluxo de casos

A epidemia volta a assombrar o país, que tanto sofreu nas ondas anteriores, com 9.658 casos de contágio registrados nesta segunda-feira, 3.085 a mais que há uma semana. Além disso, a taxa de incidência dos últimos sete dias está em 154,8 para cada 100.000 habitantes. Na segunda-feira passada, esse índice era de 110,1, segundo o instituto de vigilância sanitária Robert Koch.

As hospitalizações de pacientes graves de Covid-19 cresceram 40% em sete dias, segundo a Sociedade Alemã de Hospitais (DKG, na sigla em alemão), a maioria delas envolvendo indivíduos não vacinados. Em relação à ocupação das unidades de cuidados intensivos, o aumento de casos é de 15%. Além disso, alguns focos de contágio têm surgido, em especial as residências para idosos aposentados.

Em um estabelecimento no estado federado de Meclemburgo-Pomerânia Ocidental, 66 dos 83 residentes foram infectados e 14 faleceram depois de uma onda de contágios, e tudo indica que a origem do surto foi uma festa organizada no local no início de outubro. Apenas 6% dos residentes da casa de repouso não estavam vacinados, mas um de cada três trabalhadores não tinha sido vacinado, o que, sem dúvida, acelerou as contaminações.

Merkel, "muito triste"

Diante desse aumento de casos, Merkel advertiu que seria necessário tomar medidas rapidamente. O governo se diz "pronto para dialogar" com os estados federados, que controlam os sistemas de saúde no país, afirmou nesta segunda uma porta-voz da equipe de Merkel.

Além disso, esses casos trazem novamente à tona o debate sobre a vacinação obrigatória do pessoal de saúde, algo que conta com a aprovação de 72% da população, segundo uma pesquisa da emissora pública ZDF. As autoridades, contudo, temem a imposição da obrigatoriedade por razões históricas: o medo de que sejam acusadas de obstruir as liberdades públicas.

Cerca de 85% dos maiores de 60 anos na Alemanha concluíram o ciclo completo de vacinação, mas a eficácia das vacinas tende a diminuir com o tempo. Por outro lado, Merkel afirmou que está "muito triste" porque "dois ou três milhões de alemães com mais de 60 anos ainda não se vacinaram".

Veja Também



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895