Novo premiê britânico promete que o Brexit acontecerá até 31 de outubro
capa

Novo premiê britânico promete que o Brexit acontecerá até 31 de outubro

Boris Johnson assumiu oficialmente cargo e disse que existe possibilidade remota de saída de União Europeia sem acordo

Por
AFP e Correio do Povo

Boris Johnson assumiu oficialmente como primeiro-ministro britânico

publicidade

Boris Johnson se tornou oficialmente nesta quarta-feira o novo primeiro-ministro britânico depois de ter sido recebido pela rainha Elizabeth II e prometeu concluir o Brexit "custe o que custar". "As pessoas que apostam contra a Grã-Bretanha vão perder, porque vamos restaurar a confiança em nossa democracia e vamos cumprir as repetidas promessas do Parlamento para o povo e sair da União Europeia em 31 de outubro, incondicionalmente", declarou Johnson em seu primeiro discurso diante do número 10 de Downing Street.

Ele iniciou sua fala com reconhecendo a "fortaleza e paciência" de sua antecessora e seu profundo senso de serviço público. "Apesar de todos os seus esforços, ficou claro que há pessimistas em casa e no exterior que pensam que depois de três anos de indecisão, que este país se tornou prisioneiro dos velhos argumentos de 2016 e que neste lar da democracia nós somos incapazes de honrar um mandato democrático básico. E, então, estou diante de vocês hoje para dizer a vocês, povo britânico, que esses críticos estão errados. Os duvidosos, os pessimistas - eles vão errar de novo", disse.

De acordo com Johnson, ele buscará um acordo melhor que maximizará as oportunidades do Brexit, ao mesmo tempo que permitirá ao Reino Unido desenvolver uma "nova e empolgante parceria" com o restante da Europa, baseada no livre comércio e no apoio mútuo. "Chegou a hora de agir, tomar decisões, dar liderança forte e mudar o país para melhor. E embora a rainha tenha apenas me honrado com este extraordinário cargo de Estado, meu trabalho é servir a você, ao povo. Porque se há um ponto que os políticos precisam lembrar, é que as pessoas são nossos chefes", falou, argumentando que os britânicos já esperaram demais por uma resolução sobre o assunto.

Defendendo que o Brexit foi uma decisão fundamental do povo britânico de que eles queriam que suas leis fossem feitas por pessoas que eles possam eleger e que possam remover do cargo, Johnson reiteru a saída até 31 de outubro. "Devemos agora respeitar essa decisão e criar uma nova parceria com os nossos amigos europeus - tão calorosa e próxima quanto possível e afetuosa. E o primeiro passo é repetir inequivocamente a nossa garantia aos 3,2 milhões de cidadãos da UE que agora vivem e trabalham entre nós, e digo diretamente a vocês - obrigado por sua contribuição à nossa sociedade. Obrigado pela sua paciência, e posso assegurar-lhe que sob este governo você terá a certeza absoluta dos direitos de viver e permanecer", afirmou.

Possibilidade remota de saída sem acordo

O premiê suplicou "aos nossos amigos na Irlanda, e em Bruxelas e em toda a UE" por um acordo sem controles na fronteira irlandesa, "porque nos recusamos em qualquer circunstância a fazer esses controles". Contudo, alertou aos britânicos, que é vital que o país se prepare para a "possibilidade remota" de que Bruxelas se recuse a negociar, e eles sejam forçados forçados a sair sem acordo. "Permitam-me sublinhar que existe um sentido vital em que esses preparativos não podem ser desperdiçados, e isso porque, em qualquer circunstância, precisaremos de nos preparar, num futuro próximo, para sair da união aduaneira da UE e do controle regulamentório, totalmente determinados a, no mínimo, tirar vantagem do Brexiti. Porque esse é o curso em que este país está agora definido".

"Com corações elevados e crescente confiança, agora vamos acelerar o trabalho de se preparar. E os portos estarão prontos e os bancos estarão prontos, e as fábricas estarão prontas, e os negócios estarão prontos, e os hospitais estarão prontos, e nosso incrível setor de alimentos e agricultura estará pronto e esperando para continuar vendendo cada vez mais não apenas aqui, mas ao redor do mundo. E não se esqueça que no caso de um resultado sem acordo, teremos a lubrificação extra dos £ 39 bilhões, e seja qual for o acordo que fizermos, prepararemos este outono para um pacote econômico para impulsionar os negócios britânicos e para aumentar a liderança deste país como o destino número um neste continente para investimento no exterior".

Dificuldade para se encontrar com a rainha

Uma foto divulgada pelo Palácio de Buckingham em um comunicado mostra Johnson se curvando e apertando a mão da rainha ao assumir o novo cargo. Johnson, que é o 14º primeiro-ministro britânico a servir sob o comando da rainha Elizabeth II, teve de passar por um grupo de ambientalistas que formaram uma corrente humana para dificultar seu percurso até o palácio. 

Momentos antes, a ex-primeira-ministra britânica Theresa May formalmente apresentou sua renúncia à rainha Elizabeth II. Mais cedo, ela afirmou que obter um Brexit "aceitável para todo o Reino Unido" é a "prioridade imediata" de seu substituto, Boris Johnson. May falou à imprensa em Downing Street pela última vez como chefe de governo, antes de entregar sua renúncia à rainha Elizabeth II.