Ocidente deixa passageiros em risco com proibição de sobrevoar Belarus, afirma Rússia

Ocidente deixa passageiros em risco com proibição de sobrevoar Belarus, afirma Rússia

União Europeia barrou voos em resposta à decisão do presidente bielorrusso de forçar a aterrissagem de um voo da Ryanair para deter um opositor

AFP

O secretário-geral e diretor executivo da Repórteres sem Fronteiras (RSF), Christophe Deloire (4º à esquerda) posa com uma foto do jornalista bielorrusso detido Roman Protasevich, enquanto outros ativistas posam com fotos de outros bielorrussos detidos

publicidade

A Rússia afirmou nesta sexta-feira que os países ocidentais colocam os passageiros em perigo ao proibir seus aviões comerciais de sobrevoarem Belarus, em resposta à decisão do presidente bielorrusso de forçar a aterrissagem de um voo da Ryanair para deter um opositor. "O que o Ocidente fez, ao introduzir a proibição de voos no espaço aéreo bielorrusso por razões políticas, é completamente irresponsável e põe em risco a segurança dos passageiros", escreveu a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, no Facebook.

"Na UE moderna, a política expulsa constantemente o senso comum. Acontece que, apesar da incompreensibilidade noutros assuntos urgentes, o boomond político europeu pode bloquear a rota de centenas de voos num dia, criando grandes problemas para os cidadãos. É hora de Bruxelas aprender a tomar medidas que sejam realmente para a segurança dos cidadãos", acrescentou.

Já o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou que o cancelamento de vários voos europeus para Moscou devido à falta de sinal verde da Rússia para um novo itinerário, de modo a evitar Belarus, deu-se exclusivamente por "problemas técnicos". "As autoridades aéreas darão os esclarecimentos necessários, mas estas são questões técnicas", disse Peskov à imprensa.

"Quando os aviões (...) contornam Belarus, eles pedem para voar para lugares diferentes que não estão coordenados de nenhum modo, o que causa problemas técnicos", acrescentou Peskov, observando que a Rússia não tem "qualquer razão para ter novos problemas" com a UE.

O presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, gerou uma onda de indignação internacional no domingo passado, depois de enviar um avião militar para interceptar uma aeronave da companhia de baixo custo Ryanair, que fazia o trajeto Grécia-Lituânia. Embora a alegação tenha sido a ameaça de uma bomba a bordo, o desfecho do episódio foi a detenção do jornalista opositor Roman Protasevich, de 26 anos, e de sua namorada Sofia Sapega, de 23.

Depois disso, os líderes da União Europeia (UE) decidiram proibir seu espaço aéreo e aeroportos aos aviões bielorrussos e recomendaram que as companhias aéreas do bloco evitem o espaço aéreo deste país. Desde então, três voos das capitais da União Europeia para Moscou foram anulados por falta de autorização de suas novas rotas, contornando Belarus.

 

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895