Opositor russo pode ter sido vítima de envenenamento
capa

Opositor russo pode ter sido vítima de envenenamento

Alexei Navalni foi levado a um hospital para se recuperar

Por
AFP

Alexei Navalni passou mal durante protestos ilegais em Moscou

publicidade

O líder opositor russo Alexei Navalni, transferido da prisão para o hospital no domingo, foi vítima de envenenamento, denunciou nesta segunda-feira sua advogada, em um contexto de protestos reprimidos pelas autoridades russas. "Trata-se claramente de um envenenamento, com uma substância química desconhecida", declarou Olga Mikhaïlova em frente ao hospital onde Navalni foi internado.

Pouco depois, sua médica particular, Anastasia Vassilieva, afirmou que o opositor foi enviado de volta para a prisão, "apesar de não estar totalmente restabelecido". Segundo a médica, ele pode ter sido vítima de um "agente tóxico". A saúde do opositor ao presidente Vladimir Putin se deteriorou um dia depois que cerca de 1,4 mil pessoas foram presas em uma manifestação não autorizada em Moscou, o maior número de detenções registradas em uma concentração pró-democracia nos últimos anos.

Navalni, de 43 anos, foi preso na última quarta-feira e condenado a 30 dias de prisão por convocar a manifestação do sábado, depois que as autoridades excluíram as candidaturas independentes para as eleições locais de 8 de setembro. No domingo, Navalni foi levado às pressas da prisão para um hospital após uma forte reação alérgica. "Eu presumo que a causa da doença de Alexei Navalni possa ser um agente tóxico", escreveu a médica Anastasia Vasilieva em sua página no Facebook.

Vasilieva explicou que se baseava nas informações que dispõe sobre seus sintomas e na atitude "estranhamente nervosa" da equipe do hospital. Um representante do hospital, contatado pela AFP, limitou-se a dizer que sua condição era "satisfatória" e sua temperatura normal. "Sua temperatura corporal é de 36,6°C", disse, recusando-se a informar o diagnóstico de Navalni.

"Por que estão mentindo?"

Em um novo post nesta segunda-feira, Vasilieva, que tratou uma lesão ocular grave em Navalni no passado, acusou os médicos do hospital de não querer investigar o que causou a doença do opositor. Dizem "simplesmente que sofreu uma urticária. Mas por que estão mentindo?", questionou a oftalmologista. "Decidiram não estabelecer a causa das erupões cutâneas e edemas". Vasilieva afirmou ao canal independente TV Rain que amostras de tecido de Navalni serão submetidas a exames independentes. Ela também afirmou que finalmente foi autorizada a examinar o político.

Segunda a médica, o adversário tem as pálpebras inchadas e erupções cutâneas no pescoço, costas, tronco e cotovelos, um quadro de conjuntivite e dermatite agudas tóxicas. Em 2017, Navalni foi tratado na Espanha por uma queimadura no olho, causada por um corante químico verde pulverizado em seu rosto. Vasilieva disse que está preocupada com a condição do olho ferido.

Antes da manifestação de sábado, vários opositores foram presos e suas casas e escritórios revistados. Apesar da repressão policial, milhares de manifestantes, muitos jovens com entre 20 e 30 anos, tomaram as ruas do centro de Moscou e entraram em confronto com as forças de segurança. Nesta segunda-feira, o governo alemão instou a Rússia a libertar os mais de mil manifestantes detidos e denunciou o uso "desproporcional" da força pela polícia.

A oposição convocou um novo protesto para o sábado. The Bell, um respeitado veículo online em língua russa, disse que o Kremlin subestimou o descontentamento dos moscovitas e sua disposição para se manifestar. "Agora temos que pensar sobre o que fazer com tudo isso", disse uma fonte do Kremlin, citada por esse meio. Nas redes sociais, os russos reclamaram da brutalidade da polícia e compartilharam histórias de prisões e agressões. Mais de 21 mil pessoas assinaram uma petição pedindo a renúncia do prefeito de Moscou, Sergey Sobianin.