Parlamento britânico vota hoje propostas alternativas ao Brexit
capa

Parlamento britânico vota hoje propostas alternativas ao Brexit

Permanência na União Europeia e convocação de um segundo referendo são possibilidades cogitadas

Por
AFP

Complexidade da matéria divide parlamentares e pode fazer processo se estender por mais de um dia

publicidade

Em busca de uma solução para o caos do Brexit, a apenas 16 dias da nova data limite estabelecida pela União Europeia (UE), os deputados britânicos votam nesta quarta-feira propostas alternativas ao acordo defendido pela primeira-ministra Theresa May, que já foi rejeitado duas vezes.

A Câmara dos Comuns, onde muitos parlamentares acusam May de ter perdido tempo insistindo durante meses em um texto que desagrada tanto eurocéticos como pró-europeus, acabou tomando do governo a agenda de debates para poder organizar a jornada de "votações indicativas".

O movimento parlamentar não tem precedentes no país e para os críticos da primeira-ministra demonstra que ela perdeu completamente o controle da situação, quando o tempo é cada vez mais curto. A UE advertiu que sem a aprovação do acordo esta semana, o Reino Unido deverá apresentar um plano alternativo até 12 de abril ou assumir o risco de um Brexit brutal.

Os deputados pretendem debater durante a tarde uma série de propostas que podem ir desde a negociação de um Brexit mais suave, com a permanência do país dentro da união alfandegária europeia, até a convocação de um segundo referendo, com a possibilidade de, talvez, anular todo o processo. Corresponde ao presidente da Câmara, o controverso John Bercow, determinar quantas e quais propostas serão votadas a partir das 19h (16h de Brasília).

O processo é complexo e, em uma Câmara muito dividida entre pró-europeus e eurocéticos de todo o espectro político, pode demorar mais de um dia para identificar que opção ou opções teriam o respaldo da maioria. As votações desta quarta-feira podem servir para determinar as alternativas mais populares antes de uma conclusão definitiva em outra sessão, prevista para a próxima segunda-feira.

"É essencial que tenhamos capacidade de examinar todas as opções sérias, não os unicórnios fantásticos, e sim as coisas que realmente poderiam fazer para levar adiante o processo", afirmou o idealizador da iniciativa, o conservador Oliver Letwin, ao apresentar a proposta na segunda-feira.