Pesquisadores criam máscara térmica que inativa o coronavírus

Pesquisadores criam máscara térmica que inativa o coronavírus

Modelo reutilizável é feito a partir de malha de cobre aquecida a 90ºC revestida de material isolante térmico e alimentada por uma pequena bateria

R7

Equipamento de proteção foi desenvolvido pelo Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT)

publicidade

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT, na sigla em inglês) desenvolveram uma máscara facial que inativa o novo coronavírus, causador da Covid-19, ao invés de apenas filtrar durante o uso. O estudo foi descrito no ArXiv, plataforma voltada para artigos acadêmicos.

Segundo os cientistas, trata-se de um conceito totalmente inovador. Isso porque uma bateria de 9 volts é responsável por fornecer energia para uma malha de cobre que é aquecida a 90º C, temperatura capaz de tornar o vírus inativo, ou seja, incapaz de causar a doença, segundo modelos matematicos criados pelos pequisadores.

Neste caso, a máscara não filtra as partículas no ar como os modelos convencionais. "Na verdade, permite que o vírus atravesse a máscara, mas o desacelera e desativa", afirma o autor sênior do estudo engenheiro químico Michael Strano em artigo publicado no MIT News, jornal.

Segundo Strano, uma vantagem da máscara aquecida é que não precisa ser descontaminadas ou jogadas fora depois de usar pois o vírus já está desativado. "A perspectiva de ser capaz de respirar ar clinicamente estéril e expirar ar medicamente estéril, protegendo as pessoas ao seu redor e protegendo a si mesmo, é apenas o próximo passo. É uma tecnologia melhor", afirmou.

Para evitar que a parte externa da máscara ficasse quente demais para ser utilizada, eles revestiram a malha de cobre de neoprone, material isolante térmico muito utilizado para confeccionar roupas de surf, por exemplo.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895