Polícia dinamarquesa confirma que corpo mutilado é de jornalista desaparecida

Polícia dinamarquesa confirma que corpo mutilado é de jornalista desaparecida

Mulher havia embarcado em submarino para reportagem com inventor da embarcação

AFP

Pedaço de cadáver foi encontrado na baía de Køge, 50 km ao sul de Copenhague

publicidade

Torso humano encontrado no mar da Dinamarca pertence à jornalista sueca que desapareceu no dia 10 de agosto a bordo de um submarino projetado por um inventor que ela viajou para entrevistar, informou a polícia.  "O DNA do torso corresponde ao de Kim Wall", afirmou a polícia dinamarquesa em sua conta no Twitter.

Parte do corpo de mulher, cujos braços, pernas e cabeça foram "deliberadamente seccionados", segundo a autópsia, foi encontrado na segunda-feira por uma pessoa que estava na baía de Køge", 50 km ao sul de Copenhague. Kim Wall, uma jornalista freelance de 30 anos, embarcou em 10 de agosto no "Nautilus" com Peter Madsen, o dinamarquês que projetou o submarino, para fazer uma reportagem.

Seu companheiro denunciou o desaparecimento em 11 de agosto. No mesmo dia, Madsen, de 46 anos, foi resgatado pelas autoridades dinamarquesas em Öresund, entre as costas da Dinamarca e da Suécia, antes do naufrágio do submarino. A polícia acredita que o inventor provocou o naufrágio do "Nautilus" de modo deliberado. A embarcação foi erguida à superfície e estava vazia.

Em um primeiro momento, Madsen afirmou que a jornalista havia desembarcado na ilha de Refshaleoen, em Copenhague, na noite de 10 de agosto. Depois de ser detido, ele mudou sua versão e afirmou que Wall havia falecido em um acidente e que ele jogou o corpo no mar, na baía de Køge. A versão não convenceu os policiais, que prosseguiram com a investigação por "homicídio culposos por negligência".

Kim Wall trabalhou para os jornais The Guardian e The New York Times. Formada na Universidade de Columbia, ela atuava entre Nova York e China.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895