Policía alemã termina escavações em canteiro na investigação do caso Maddie

Policía alemã termina escavações em canteiro na investigação do caso Maddie

Investigadores passaram dois dias explorando meticulosamente o terreno, com a ajuda de cães farejadores e de escavadeiras

AFP

Até então, investigadores não deram nenhum detalhe sobre o resultado de suas buscas

publicidade

A polícia alemã encerrou, nesta quarta-feira, as escavações em um canteiro perto de Hannover (centro), uma operação de rastreamento vinculada à investigação sobre o desaparecimento da pequena britânica Maddie McCann, em maio de 2007, em Portugal. Com a ajuda de vários cães farejadores e de escavadeiras, os investigadores passaram dois dias explorando meticulosamente esse pequeno canteiro em um terreno. 

Esse tipo de terreno é conhecido como canteiro dos trabalhadores, porque, historicamente, eram hortas, ou pequenos locais de cultivo de plantas - uma atividade popular para as classes médias e baixas na Alemanha. Grandes quantidades de terra e pedra foram transportadas para fora do local, muito vigiado pelas forças policiais, segundo um fotógrafo da AFP.

Até agora, os investigadores não deram nenhum detalhe sobre o resultado de suas buscas, nem informaram exatamente o que procuram. De acordo com o jornal Bild, as escavações não continuarão nesta quinta-feira.

Vários meios de comunicação informaram que os investigadores estão explorando as profundezas de um antigo galpão que tinha um sótão. Esse galpão foi demolido em 2007. Questionado pela AFP, um porta-voz da Promotoria de Brunswick, encarregado pela investigação, não quis comentar as operações em andamento.

O caso da pequena Maddie, que comoveu por anos a opinião pública europeia, sofreu uma reviravolta dramática no início de junho, com a identificação de um novo suspeito, Christian B., de 43 anos, um pedófilo alemão reincidente. Ele já foi condenado por estupro em Portugal e, hoje, está preso por outro caso. O suspeito vivia em Hannover em 2007, o mesmo ano em que Maddie desapareceu.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895