Policial nova-iorquino é formalmente acusado por abordagem com estrangulamento

Policial nova-iorquino é formalmente acusado por abordagem com estrangulamento

David Afanador enfrenta uma pena de até sete anos de prisão por estrangulamento e tentativa de estrangulamento agravado

AFP

Prática foi considerada ilegal recentemente no estado após o caso George Floyd

publicidade

Um policial de Nova Iorque foi detido e acusado nesta quinta-feira depois de ter realizado uma abordagem com estrangulamento durante uma prisão, prática recentemente considerada ilegal no estado após o caso George Floyd.

David Afanador enfrenta uma pena de até sete anos de prisão por estrangulamento e tentativa de estrangulamento agravado, segundo informou o escritório da promotora do Queens, Melinda Katz, em comunicado.

Um cidadão que estava de passagem filmou com seu celular a prisão no último domingo, antes que a polícia publicasse as imagens gravadas pelas minicâmeras carregadas pelos policiais. Na gravação da polícia, três pessoas, visivelmente bêbadas, enfrentam os policiais. Depois de alguns minutos, um deles parece estar pegando uma lata de lixo.

Quatro oficiais então partem para cima dessa pessoa, e David Afanador faz uma abordagem com estrangulamento, isso que dura mais de 10 segundos. A pessoa estrangulada em questão é um cidadão negro, que brevemente parece perder a consciência.

Além dessa técnica já ter sido proibida pelo Departamento de Polícia de Nova Iorque, nas últimas semanas o Parlamento desse estado e a prefeitura já aprovaram regulamentos que tornam essa prática um crime. A decisão foi tomada após a morte de Floyd, que foi sufocado por um policial branco de Minneapolis durante sua prisão, no final de maio.

"Mesmo nas circunstâncias mais difíceis, essa prática é exatamente o tipo de conduta que a polícia de Nova York proibiu e que o Parlamento (Nova Iorque) considera como crime", ressalta a promotora Katz no comunicado.

Afanador, que compareceu à audiência com um juiz do Queens, responde em liberdade.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895