Portugal se prepara para suspender estado de emergência

Portugal se prepara para suspender estado de emergência

País registra quase 1 mil mortes por novo coronavírus

AFP

Portugal teve decreto de emergência instaurado em março

publicidade

O estado de emergência em vigor em Portugal desde 19 de março para conter a pandemia de novo coronavírus terminará no fim de semana, anunciou o presidente Marcelo Rebelo de Sousa, com a advertência de que a retomada das atividades acontecerá por "etapas".

O terceiro período do estado de emergência de 15 dias terminará no sábado à meia-noite e "esperamos que não seja necessário voltar a impô-lo no futuro", declarou o chefe de Estado à imprensa.

O primeiro-ministro António Costa deve anunciar na quinta-feira quais setores poderão retomar as atividades a partir do dia 4 de maio. Durante o fim de semana prolongado, que começa na sexta-feira 1 de maio, como aconteceu na Semana Santa, os portugueses não poderão sair de suas localidades de residência, exceto para trabalhar nas atividades consideradas essenciais desde o início do confinamento.

Nesta terça-feira, o chefe de Governo se reunirá com o presidente da Federação Portuguesa de Futebol e os dirigentes dos três grandes clubes do país (Benfica, Porto e Sporting) para discutir as modalidades de uma eventual retomada do campeonato nacional que, segundo a imprensa, na melhor das hipóteses poderia acontecer no início de junho.

Portugal, onde os primeiros casos de contágio de Covid-19 foram detectados mais tarde que em outros países europeus, como a vizinha Espanha, registra um balanço de quase 1 mil mortes e pouco mais de 24 mil infectados.

Como prevenir o contágio do novo coronavírus 

De acordo com recomendações do Ministério da Saúde, há pelo menos cinco medidas que ajudam na prevenção do contágio do novo coronavírus:

• lavar as mãos com água e sabão ou então usar álcool gel.

• cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir.

• evitar aglomerações se estiver doente.

• manter os ambientes bem ventilados.

• não compartilhar objetos pessoais.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895