Posições sobre o Brexit entre Londres e Bruxelas continuam distantes, afirma Johnson

Posições sobre o Brexit entre Londres e Bruxelas continuam distantes, afirma Johnson

Chefe de Governo britânico deve viajar a Bruxelas nos próximos dias para tentar desbloquear a negociação e alcançar um acordo antes do fim do período de transição

AFP

Negociações continuam bloqueadas em três grandes temas

publicidade

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou nesta terça-feira que as posições do Reino Unido e da União Europeia (UE) nas difíceis negociações comerciais pós-Brexit continuam "muito distantes", apesar do tempo curto. "Eu sempre tenho esperança, mas tenho que ser honesto com vocês, a situação no momento é complicada. Nossos amigos têm que entender que o Reino Unido deixou a UE para exercer o controle democrático", afirmou. "Parece muito difícil no momento, mas faremos todo o possível", avaliou.

"Nós ainda estamos muito distantes", completou o chefe de Governo britânico, que deve viajar a Bruxelas nos próximos dias para tentar desbloquear a negociação e alcançar um acordo antes do fim do período de transição pós-Brexit em 31 de dezembro.

As negociações continuam bloqueadas em três grandes temas: o acesso dos navios de pesca europeus às águas britânicas, as garantias de concorrência exigidas pela UE a Londres em troca de um acesso ao mercado único e como resolver as divergências no futuro.

Veja Também

Após uma conversa telefônica na segunda-feira, Johnson e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, concordaram que ainda não existem as condições para finalizar um acordo. Desde a saída oficial da UE em 31 de janeiro, o Reino Unido continua aplicando as normas europeias.

Mas ao final do período de transição, dentro de três semanas, o país sairá do mercado único e da união alfandegária. Sem um acordo com a UE, a relação comercial com os 27 passará a ser administrada pelas regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), o que significa tarifas e cotas, ameaçando economias já abaladas pelo coronavírus.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895