Presidente chinês participará de cúpula virtual sobre o clima organizada por Biden

Presidente chinês participará de cúpula virtual sobre o clima organizada por Biden

Evento contará com cerca de 40 líderes mundiais, entre eles Xi Jinping e seu colega russo Vladimir Putin

AFP

Evento contará com cerca de 40 líderes mundiais, entre eles Xi Jinping e seu colega russo Vladimir Putin

publicidade

Apesar das fortes tensões bilaterais, chineses e americanos parecem decididos a colaborar sobre o clima, e Pequim confirmou nesta quarta-feira a participação do presidente Xi Jinping na cúpula virtual organizada nesta semana por Joe Biden.

O chefe do Estado chinês "fará um importante discurso online de Pequim" na cúpula virtual de quinta e sexta-feira, disse nesta quarta o ministério chinês de Relações Exteriores, esclarecendo a incerteza sobre sua participação.

Biden convidou cerca de 40 líderes mundiais, entre eles Xi Jinping e seu colega russo Vladimir Putin, para uma cúpula internacional sobre o clima com dois dias de duração e que será realizada por vídeoconferência.

China e Estados Unidos são os dois principais emissores de gases de efeito estufa, que causa o aquecimento global. Sendo assim, seu entendimento é crucial para o sucesso dos esforços internacionais destinados a reduzir essas emissões.

As duas potências continuam se opondo em muitos assuntos. Washington critica, por exemplo, a política de Pequim em Hong Kong, Taiwan, o tratamento aos muçulmanos uigures de Xinjiang (Noroeste da China) e o comércio. No entanto, os dois países se comprometeram neste sábado a "cooperar" sobre a mudança climática, após uma visita a Xangai do enviado americano para o clima, John Kerry, que se reuniu com seu homólogo chinês Xie Zhenhua.

As relações entre Pequim e Washington se deterioraram fortemente durante o mandato do ex-presidente Donald Trump, que retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima. Desde sua chegada à Casa Branca em janeiro, Biden optou pelo retorno dos Estados Unidos ao pacto.

Objetivo: neutralidade do carbono

Grande consumidor de carvão, a China é em termos absolutos o primeiro emissor mundial de gás de efeito estufa, mas também é o país que mais investe em energias renováveis. "Não podemos resolver esta crise climática sem que a China esteja na mesa de negociações", declarou na semana passada Kerry, durante sua visita a Xangai.

Pequim prometeu começar a reduzir suas emissões de CO2 "antes de 2030" e em 2060 alcançar a "neutralidade carbono", ou seja, absorver tanto quanto emite. "A China fará o que diz, e o que fará vai alcançar seus objetivos", se comprometeu na semana passada o presidente chinês Xi Jinping, reiterando essas promessas.

A diplomacia chinesa zombou na semana passada do retorno de Washington ao acordo sobre o clima, ao afirmar que não se trata de "um retorno glorioso" e sim de "um mau aluno que volta às aulas depois de ser reprovado em um curso".

Na ausência dos Estados Unidos durante a presidência de Donald Trump, a China assumiu um papel importante junto à União Europeia (UE) no combate à mudança climática. Além da cúpula sobre o clima organizada por iniciativa de Joe Biden, outros dois eventos importantes estão previstos este ano sobre o meio ambiente: a COP15 biodiversidade (em outubro na China) e a COP26 clima (em novembro em Glasgow).


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895