Processo de impeachment de Trump será enviado ao Senado dos EUA na segunda-feira

Processo de impeachment de Trump será enviado ao Senado dos EUA na segunda-feira

Dois terços dos senadores teriam de aprovar impedimento do ex-presidente

AFP

Republicano deixou a presidência na quarta-feira

publicidade

A acusação contra o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump - indiciado pela Câmara de Representantes por "incitar uma insurreição" - será enviada ao Senado na segunda-feira. A informação foi confirmada pelo chefe da maioria democrata na Câmara Alta, Chuck Schumer.

Schumer rejeitou as críticas dos republicanos de que Trump não pode ser submetido a um julgamento político porque não está mais no poder. Este é o segundo processo de impeachment contra o ex-presidente, que desta vez é acusado de incitar seus partidários a tomar o Capitólio em 6 de janeiro, em um incidente que deixou cinco mortos.

A etapa consiste na leitura das acusações, o que marca a abertura oficial do processo, mas ainda não está claro quando os debates acontecerão. Pelosi comentou que os representantes democratas que atuarão como promotores estão "prontos" para o processo junto aos 100 senadores.

No primeiro processo contra ele - que terminou em fevereiro de 2020 com sua sua absolvição -, o então presidente foi acusado de pedir à Ucrânia que investigasse ações de suposta corrupção vinculadas a Joe Biden, seu rival político frente às eleições, que Trump acabou perdendo.

Veja Também

Naquele momento, o presidente contou com o apoio quase total de seu partido, mas após os incidentes de 6 de janeiro deste ano, e depois de sua campanha ferrenha para invalidar os resultados das eleições, este apoio foi reduzido. Nesta semana, o líder dos republicanos do Senado, Mitch McConnel, disse no Capitólio que Trump "provocou" a multidão que invadiu o edifício.

McConnell, que perdeu a liderança do Senado nas últimas eleições, criticou o avanço a um ritmo "sem precedentes" do processo na Câmara dos Representantes e disse que preferia que as acusações fossem enviadas na quinta-feira e não na segunda-feira. “Não pode haver um processo que seja insuficiente e que negue ao ex-presidente um processo justo ou que prejudique o Senado ou a presidência”, disse o senador republicano, acrescentando que o atraso do julgamento beneficiaria o governo democrata que está em processo de confirmação de seu gabinete e deseja aprovar um grande pacote de ajuda econômica para a crise decorrente da pandemia.

Para condenar o ex-presidente, dois terços dos senadores devem votar a favor, o que significa que 17 republicanos devem ingressar nas 50 cadeiras que os democratas têm, uma possibilidade incerta até agora. Se Trump for considerado culpado, ele não será destituído do cargo, pois já o deixou, mas será impedido de tentar a presidência novamente em 2024.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895