Professor é suspenso na Bélgica após mostrar caricatura de Maomé

Professor é suspenso na Bélgica após mostrar caricatura de Maomé

Educador mostrou um desenho da revista Charlie Hebdo onde o profeta estava nu em uma aula sobre liberdade de expressão

AFP

Diretor da escola denunciou a decisão do professor às autoridades de tutela

publicidade

Um professor foi suspenso esta semana na Bélgica por mostrar a seus alunos, com idades entre 10 e 11 anos, uma das caricaturas de Maomé da revista francesa Charlie Hebdo, considerada "obscena" pela direção do colégio. A informação, revelada pelo jornal La Libre Belgique, foi confirmada à AFP pelo porta-voz da prefeitura de Molenbeek, onde ocorreram os fatos.

"Dois ou três pais" se queixaram à direção desta escola de ensino fundamental de que um professor mostrou "a crianças do 5º e do 6º [anos]" um desenho do profeta muçulmano nu, em que aparecem seus genitais, explicou o porta-voz, Rachid Barghouti.

O professor belga mostrou uma das caricaturas polêmicas da revista francesa de sátira durante uma aula sobre liberdade de expressão. Ele decidiu fazê-lo após o assassinato do professor francês Samuel Paty, decapitado em 16 de outubro por ter mostrado estas mesmas caricaturas a alunos do ensino médio.

Veja Também

O diretor da escola de Molenbeek denunciou a decisão do professor às autoridades de tutela, ou seja, aos vereadores do governo municipal, que decidiram suspendê-lo. O professor "compareceu na quinta-feira perante o conselho comunal (o prefeito e seus vereadores) e o suspenderam", explicou Barghouti. "Não é uma sanção, mas supõe iniciar o procedimento disciplinar", acrescentou.

Outra reunião entre o professor e representantes municipais será celebrada na quinta-feira da semana que vem. Nela poderá ser decidida uma sanção. "Nossa decisão está baseada unicamente no fato de que se tratam de imagens obscenas, se não tivesse sido o profeta, teríamos tomado a mesma decisão", assegurou o porta-voz da prefeita socialista Catherine Moureaux, que governa este município em coalizão com liberais francófonos.

Molenbeek-Saint-Jean é uma cidade de 100.000 habitantes, que conta com uma importante comunidade magrebina e que foi considerada o berço do jihadismo na Europa depois que vários jovens desta cidade da periferia de Bruxelas estiveram envolvidos nos atentados de Paris de 13 de novembro de 2015.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895