Professora brasileira está entre mortos de ataque a faca na Alemanha, diz agência

Professora brasileira está entre mortos de ataque a faca na Alemanha, diz agência

Conforme relato, vítima ajudou a salvar a filha, de 11 anos, do ataque

AE

Uma espécie de memorial para lembrar as vítimas foi criado em Würzburg

publicidade

A professora brasileira Christiane H., de 49 anos, foi uma das pessoas mortas durante um ataque a faca na cidade de alemã de Würzburg, na sexta-feira passada, segundo informações da agência de notícias Deutsche Welle.

De acordo com o relato do jornal alemão Bild, citado pela agência, a brasileira se jogou sobre a filha de 11 anos, chamada Akines, quando o autor do atentado, um homem de 24 anos de nacionalidade somali, avançou sobre as duas. O sobrenome de mãe e filha não foi divulgado.

Ainda de acordo com o relato do Bild, uma idosa de 82 anos também teria protegido a criança, puxando o agressor para longe. A idosa também acabou sendo morta. A menina sobreviveu. Chistiane e a filha teriam chegado à Alemanha no começo do ano, onde ela começaria a dar aulas em uma escola de Würzburg, segundo as informações da Deutsche Welle. Uma amiga da brasileira ouvida pela agência disse que o pai da menina ainda está no Brasil.

Três pessoas morreram e várias ficaram feridas no atentado, de acordo com a polícia alemã. O homem, que mora na cidade de cerca de 130 mil habitantes, foi baleado e preso.

Novo ataque

Mais um ataque com arma branca foi registrado na Alemanha nesta segunda-feira, na cidade de Erfurt, quando um homem feriu dois pedestres e fugiu do local. A investigação levou as autoridades a um alemão de 32 anos com histórico de crimes violentos e problemas de saúde mental, segundo um comunicado da polícia. Ele foi preso em seu apartamento com ferimentos aparentemente autoinfligidos e levado para um hospital.

O motivo do ataque não foi imediatamente esclarecido, mas a polícia disse que não há motivo para suspeitar que fosse um ataque politicamente motivado. As duas vítimas são homens, de 45 e 68 anos. Eles foram socorridos até hospitais próximos e foram submetidos a cirurgias. O suspeito e as vítimas não se conheciam. (Fomte: Associated Press)


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895