Professores venezuelanos enfrentam polícia em protesto salarial

Professores venezuelanos enfrentam polícia em protesto salarial

Manifestantes tentaram forçar entrada no Ministério da Educação

Por
AFP

Professores venezuelanos enfrentam polícia em protesto salarial


publicidade

Professores venezuelanos do ensino público enfrentaram a polícia e os militares ao tentar entrar a força no ministério da Educação durante um protesto para exigir melhores salários. Após gritar palavras de ordem diante do prédio, um grupo de professores tentou romper o cordão policial formado na entrada, provocando a reação dos policiais. "Chegou um policial e me deu um golpe sem dizer nada", contou um professor à imprensa, em meio aos gritos de "somos docentes, não somos delinquentes!".

Após os primeiros incidentes, militares da Guarda Nacional com escudos formaram um novo cordão de isolamento e os professores se dispersaram. Delegados dos sindicatos nacionais se reuniram com autoridades do ministério, que garantiram que o ministro da Educação, Aristóbulo Istúriz, está disposto a discutir as reivindicações na próxima semana. "Está disposto a negociar", declarou à AFP Maryuri Maldonado, do sindicato de funcionários públicos da educação.

Um professor venezuelano do ensino médio ganha entre 1.800 bolívares (salário mínimo, equivalente a 28 dólares) e 3 mil bolívares, dependendo de sua categoria. O salário mínimo é suficiente apenas para comprar um quilo de carne e um quilo de queijo. Os salários na Venezuela são devorados por uma inflação que o Fundo Monetário Internacional (FMI) projeta em 1.350.000% para 2018 e em 10.000.000% em 2019.