Protesto contra medidas anticovid resulta em feridos e presos na Holanda

Protesto contra medidas anticovid resulta em feridos e presos na Holanda

Manifestações aconteceram e Roterdã, no sudoeste do país

AFP

Caso aconteceu em Roterdã

publicidade

Várias pessoas ficaram feridas por disparos policiais nesta sexta-feira (19) em Roterdã, no sudoeste da Holanda, após manifestantes contrários às novas medidas anticovid-19 do governo queimarem um veículo da polícia e lançarem pedras contra as forças de segurança.

Dezenas de pessoas foram presas sete ficaram feridas, incluindo policiais, durante o protesto noturno em uma rua comercial do porto de Roterdã, de acordo com as autoridades.

Os protestos foram uma resposta às restrições contra o coronavírus e aos planos do governo de restringir o acesso de pessoas não vacinadas a alguns lugares públicos.

O prefeito de Roterdã, Ahmed Aboutaleb, classificou os protestos de "orgia de violência".

"A polícia considerou necessário sacar as armas para se defender", afirmou aos jornalistas.

De acordo com um comunicado da polícia local, a manifestação começou na rua Coolsingel e "terminou em distúrbios. Fogos foram avistados em vários lugares. Fogos de artifício foram lançados e a polícia disparou vários tiros de alerta".

Segundo a imprensa holandesa, centenas de manifestantes, que gritavam "liberdade", lançaram pedras contra a polícia e incendiaram diversas motocicletas elétricas.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, anunciou há uma semana a reintrodução de um confinamento parcial junto com uma série de restrições sanitárias, especialmente no setor de restaurantes, para impedir a propagação de covid-19.

Os bares e restaurantes devem fechar às 20h00, pelo menos até 4 de dezembro.

A polícia holandesa usou um canhão de água para dispersar os manifestantes em Haia no dia em que as medidas foram anunciadas.

No último sábado, a polícia também deteve 15 pessoas em uma cidade do norte depois que eclodiram confrontos entre as forças de segurança e centenas de pessoas indignadas com o fechamento prematuro de bares devido à pandemia.

Pelo menos uma viatura policial foi incendiada durante o protesto, disse um porta-voz da polícia à AFP.

As autoridades locais emitiram uma ordem de emergência proibindo o acesso à área do protesto para evitar mais violência. A principal estação ferroviária de Roterdã também foi fechada.

"Situação muito grave"

"Esta é uma situação muito grave que requer uma ação da mais alta prioridade", declarou a ordem do município. "Portanto, é necessário emitir esta ordem de emergência para manter a ordem pública e proteger a segurança das pessoas."

A Holanda voltou a implementar restrições após uma nova alta de casos de covid-19, com mais de 21 mil novas infecções registradas nesta sexta-feira.

Os manifestantes entraram em confronto com a polícia em Haia depois que o primeiro-ministro Rutte anunciou as medidas em 12 de novembro.

Como parte das disposições, foi pedido que a população trabalhasse de casa, a menos que fosse absolutamente necessário sair.

Os eventos públicos foram suspensos e o torneio de futebol é disputado a portas fechadas.

No entanto, as escolas continuam abertas e não há impedimento para as pessoas saírem de casa.

O governo holandês disse que vai rever a situação em 3 de dezembro e está estudando excluir as pessoas não vacinadas de bares e restaurantes, embora o plano enfrente forte oposição no parlamento.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895