Protestos avançam na Nicarágua contra regime de Ortega
capa

Protestos avançam na Nicarágua contra regime de Ortega

Manifestantes seguem mobilizados após confrontos de três meses com 260 mortos

Por
AFP

Manifestantes seguem mobilizados após confrontos de três meses com 260 mortos

publicidade

Debaixo de sol ou de chuva e segurando bandeiras da Nicarágua, milhares de opositores marcharam nesta quinta-feira em Manágua para exigir a saída do poder do presidente Daniel Ortega, desafiando o medo da intensificação da violência que já deixou mais de 260 mortos em três meses de protestos. "Nem um passo atrás!", "Justiça!", "Vá embora!", gritava a multidão de azul e branco, que avançava sem incidentes em seu percurso de sete quilômetros por avenidas estratégicas do sudeste da capital. A chuva que caiu em um trecho da rota não afugentou os manifestantes.

Carolina Aguilar, de 52 anos, disse marchar porque está "cansada de um governo que mata impunemente". "Não podemos viver com um assassino, com um escorpião que dia a dia está nos matando. Daria o meu sangue para que isso acabasse. Se é o que quer: me mate! Mas deixe o povo livre", declarou à AFP.

A opositora Aliança Cívica pela Justiça e Democracia, que reúne grupos da sociedade civil, aumentou com esse protesto a pressão, que inclui uma greve nacional na sexta-feira (a segunda durante a crise) e uma caravana no sábado pelos combativos bairros orientais de Manágua.

As manifestações começaram em 18 de abril contra a reforma da Previdência, mas se estenderam à exigência de saída do poder de Ortega, que governa desde 2007 pelo terceiro mandato consecutivo, e que é acusado de criar uma ditadura junto com sua esposa e vice-presidente, Rosario Murillo. "Sabemos que os propósitos terroristas de um pequeno grupo de nicaraguenses obstinados no ódio não prosperariam, não prosperaram e não prosperarão", disse Murillo.

O governo intensificou nas últimas semanas as operações em que policiais e paramilitares derrubaram barricadas com as quais manifestantes bloqueavam as vias , agravando a violência. Para responder à estratégia opositora, o governo fará na sexta-feira, dia da greve, a chamada "retirada", uma caravana que anualmente Ortega lidera por esta data até Masaya, 30 quilômetros ao sul de Manágua, para recordar um gesto da Revolução Sandinista de 1979.

O anúncio do governo colocou em alerta máximo o aguerrido bairro indígena de Monimbó, no sul de Masaya, onde seus moradores se mantêm entrincheirados atrás de grandes barreiras de pedras. "Nunca vão entrar, a menos que matem todos", assegurou em uma dessas barricadas um homem com o rosto coberto, de gorro e camisa verde oliva.

Ortega, ex-guerrilheiro sandinista de 72 anos que lutou na insurreição popular para derrubar o ditador Anastasio Somoza, intensificou nos últimos dias as operações nas quais policiais e paramilitares derrubam os bloqueios de vias, agravando a violência. "Estamos demostrando ao regime que não temos medo. Tiramos Somoza e vamos tirar Ortega. Temos que tirá-lo porque este homem disparou contra o povo que o elegeu", expressou Fernando Callejas, médico de 67 anos.

Um dia antes da marcha, o secretário executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), Paulo Abrão, pediu ao governo, ao apresentar um relatório ao conselho permanente da OEA em Washington, para "garantir protestos pacíficos" e "acabar com a repressão". O governo de Ortega considera os manifestantes opositores como "criminosos", "golpistas" e "terroristas". O chanceler Denis Moncada qualificou o relatório da CIDH de "apressado", "preconceituoso e carente de objetividade".