Protestos contra alta na gasolina deixam vários mortos no Zimbábue
capa

Protestos contra alta na gasolina deixam vários mortos no Zimbábue

Forças policiais realizaram ao menos 200 prisões durante manifestações

Por
AFP

Forças policiais realizaram ao menos 200 prisões durante manifestações

publicidade

Manifestações realizadas no Zimbábue, nesta segunda-feira, contra a alta nos preços dos combustíveis decretada pelo governo, deixaram vários mortos, informou o ministro da Segurança, Owen Ncube, sem dar um número.  "Lamento que tenham causado perdas de vidas e propriedades, além de ferimentos entre as forças policiais e a população", disse Ncube segundo o jornal do governo The Herald.

Vários protestos ocorreram nesta segunda nas duas maiores cidades do país, Harare, a capital, e Bulawayo, no sul, no primeiro dos três dias de uma greve geral convocada contra os aumentos. O presidente Emmerson Mnangagwa anunciou no sábado que duplicará o preço da gasolina para fazer frente à maior escassez de petróleo no país nos últimos dez anos.

Em Harare, havia diversas barricadas, e em Bulawayo os manifestantes impediram a circulação até o centro da cidade com barricadas de pedras e pneus em chamas. Os distúrbios são os mais graves no país desde que o Exército reprimiu um protesto da oposição no dia seguinte às eleições de 30 de julho, em confrontos que deixaram seis mortos em Harare.

O ministro da Segurança afirma que as forças do governo realizaram ao menos 200 detenções. Ncube atribuiu a responsabilidade dos distúrbios ao Movimento por uma Mudança Democrática (MDC), o principal adversário do Zanu-PF, no poder, "às ONGs" e a "organizações de jovens". Um porta-voz do MDC, Nkululeko Sibanda, desmentiu a acusação e acusou o partido no poder de tentar incendiar a sede do seu movimento na capital.

A economia do Zimbábue ficou muito debilitada após os 37 anos de regime autoritário de Robert Mugabe, que renunciou em 2017.