Pyongyang é uma "ameaça extraordinária" para a região, diz o Pentágono

Pyongyang é uma "ameaça extraordinária" para a região, diz o Pentágono

Fala vem após a destruição do escritório de relações intercoreanas por parte do regime de Pyongyang

Por
AFP

"É difícil dizer o que acontecerá nos próximos dias e semanas", afirmou David Helvey


publicidade

A Coreia do Norte segue sendo uma "ameaça extraordinária" para a região, disse um alto funcionário do Pentágono nesta quinta-feira depois da destruição do escritório de relações intercoreanas por parte do regime de Pyongyang.

"Com os acontecimentos dos últimos dias tem nos recordado claramente que a Coreia do Norte segue representando uma ameaça extraordinária para a região, o que exige que estejamos constantemente vigilantes", disse o chefe de estratégia para o Indo-Pacífico, David Helvey.

"É difícil dizer o que acontecerá nos próximos dias e semanas, mas acredito que é importante dizer que permaneceremos atentos a qualquer tipo de ameça e provocação, considerou o funcionário do Ministério da Defesa da maior potência global.

Pyongyang destruiu na terça-feira o escritório de relações intercoreanas localizado em seu território, símbolo da desescalada na península, o que aumentou as tensões depois de semanas de ataques verbais contra a Coreia do Sul. A explosão materializa as advertências de Kim Yo Jong, a poderosa irmã mais nova do líder norte-coreano Kim Jong Un, que no fim de semana ameaçou a destruição do "inútil" escritório.

Apesar da tensão, Helvey se mostrou cauteloso ao ser perguntando sobre os apelos de fortalecer a presença militar dos Estados Unidos nas proximidades da península coreana e sobre a retomada dos exercícios militares suspensos para facilitar as negociações entre Washington e Pyongyang, atualmente inativos.


"Não quero presumir nenhuma decisão que possam tomar", mas esses temas sempre estão em discussão com os aliados sul-coreanos, disse. "Para ser franco, é uma coisa que ajuda a preservar nossos interesses e a manter a paz e a estabilidade na região Indo-Pacifica", afirmou.