Rússia ameaça retaliação se Ocidente não aceitar demandas sobre Ucrânia

Rússia ameaça retaliação se Ocidente não aceitar demandas sobre Ucrânia

Pressão internacional aumenta com preocupações de que Moscou invada o país

AE

publicidade

A Rússia alertou, nesta quarta-feira, que tomará rapidamente "medidas de retaliação" se os Estados Unidos e aliados rejeitarem suas demandas de segurança e continuarem suas políticas "agressivas", aumentando a pressão sobre o Ocidente em meio a preocupações de que Moscou esteja planejando invadir a Ucrânia.

A Rússia negou repetidamente que tenha essa intenção, mas os EUA e demais integrantes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) estão preocupados porque o Kremlin reuniu cerca de 100 mil soldados perto da fronteira com o território ucraniano e realizou uma série de exercícios militares na região.

No centro do impasse estão questões sobre o futuro da Ucrânia: a Rússia exigiu garantias de que a Otan nunca admitirá o país e outras nações ex-soviéticas como membros e que a aliança reverterá o envio de tropas em outros países do antigo bloco soviético. As exigências criaram um impasse que muitos analistas temem que só possa terminar em uma guerra.

Veja Também

Falando a parlamentares nesta quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse que ele e outros altos funcionários aconselharão o presidente russo, Vladimir Putin, sobre os próximos passos depois de receber respostas por escrito dos Estados Unidos às demandas. Essas respostas são esperadas esta semana - embora os EUA e seus aliados já tenham deixado claro que rejeitarão as principais. "Se o Ocidente continuar seu curso agressivo, Moscou tomará as medidas de retaliação necessárias", disse ele.

Enquanto a Rússia aguarda a resposta americana, Lavrov indicou que não esperaria para sempre: "não permitiremos que nossas propostas sejam afogadas em discussões intermináveis", disse ele.

Questionado pelos legisladores se a Rússia poderia expandir a cooperação militar com Cuba, Venezuela e Nicarágua, Lavrov respondeu que Moscou tem laços estreitos com esses países. No início deste mês, o vice de Lavrov se recusou a descartar o envio de ativos militares russos para Cuba e Venezuela - muito mais perto dos EUA do que da Ucrânia - se as exigências de segurança de Moscou não forem atendidas.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895