Rússia aumenta atividade aérea e naval na Ucrânia, diz Pentágono

Rússia aumenta atividade aérea e naval na Ucrânia, diz Pentágono

"Os russos fizeram mais de 300 missões nas últimas 24 horas e os ucranianos também aceleraram o ritmo", disse funcionário do Pentágono

AFP

Forças ucranianas continuam a impedir o avanço do exército russo no país

publicidade

A Rússia intensificou suas operações aéreas e navais na Ucrânia diante da resistência das forças ucranianas, que continuam a impedir o avanço do exército russo no país, afirmou um funcionário do Pentágono nesta segunda-feira. "Durante as últimas 24 a 48 horas, vimos um aumento na atividade aérea de ambos os lados", disse o funcionário, que pediu anonimato, a jornalistas. 
 
"Os russos fizeram mais de 300 missões nas últimas 24 horas e os ucranianos também aceleraram o ritmo", acrescentou, sem quantificar os da aviação ucraniana, muito inferiores aos russos. Segundo ele, essas operações não se manifestam em combates aéreos. A aviação russa tende a disparar mísseis ar-terra contra alvos ucranianos do espaço aéreo russo ou bielorrusso. 
 
"Eles não se aventuram muito longe ou por muito tempo no espaço aéreo ucraniano", que é defendido "com grande habilidade", disse ele. "Vimos um aumento na atividade naval no norte do Mar Negro", acrescentou o funcionário do Departamento de Defesa dos EUA.
"Os russos têm pouco mais de dez navios de guerra" nesta área, principalmente navios anfíbios, navios de combate, caça-minas e barcos de patrulha, "e acreditamos que pelo menos um dos bombardeios de Odessa" tenha vindo desta área, explicou.  "Achamos que seria um erro concluir que este é um sinal de que Odessa está sob ameaça iminente de um ataque anfíbio", disse ele. 
 
O Pentágono não sabe se a Rússia disparou mísseis hipersônicos contra a Ucrânia como afirma ter feito, mas mesmo que fosse o caso, "do ponto de vista militar, não é de grande interesse prático" usar tais mísseis de longo alcance contra alvos tão próximos, acrescentou o oficial do Pentágono. 
 
 
A explicação "pode ser que eles não tenham muitos mísseis guiados com precisão e precisem recorrer" a eles, disse. “Também é possível que eles estejam tentando enviar uma mensagem ao Ocidente e à Ucrânia para tentar obter uma vantagem na mesa de negociações.” No geral, "o que vemos é uma tentativa desesperada dos russos de recuperar o impulso", concluiu o funcionário, enfatizando que no 26º dia da ofensiva, as forças russas permanecem bloqueadas a cerca de 15 km a noroeste de Kiev e 30 km a leste da capital.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895