Rússia autoriza tratamento com hidroxicloroquina para Covid-19

Rússia autoriza tratamento com hidroxicloroquina para Covid-19

China entregou mais de 68 mil caixas deste medicamento ao país

AFP e Correio do Povo

Presidente Vladimir Putin tomou decisão após conversa com seu homólogo chinês

O governo da Rússia autorizou o tratamento de pacientes com Covid-19 com a hidroxicloroquina – derivada do remédio contra a malária cloroquina, cuja eficácia é alvo de debate mundial –, fortemente defendidade pelo presidente Jair Bolsonaro. Em um decreto publicado na quinta-feira à noite, as autoridades deram instruções às organizações médicas nesse sentido, acrescentando que a China entregou mais de 68 mil caixas deste medicamento ao país.

O texto foi publicado depois de um telefonema ontem entre os presidentes russo, Vladimir Putin, e chinês, Xi Jinping. A pandemia de coronavírus Covid-19 afetou quase o mundo inteiro. Segundo os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) , quase dois milhões de pessoas foram infectadas, 131 mil pacientes morreram. Mais de 32 mil pacientes já foram identificados na Rússia, 273 pessoas morreram, mais de dois mil e quinhentos se recuperaram.

A hidroxicloroquina será distribuída nos hospitais que tratam os pacientes que deram positivo para o novo coronavírus, ou sob suspeita de contaminação. A agência russa de controle dos serviços médicos deverá monitorar o quadro para garantir a segurança e a eficácia do remédio. Assim como a cloroquina, derivada da quinina, é há várias décadas prescrita para tratar a malária.

O embaixador da Rússia na Índia, Nikolai Kuvashev, disse a repórteres na sexta-feira que a Índia forneceria à Rússia medicamentos para o tratamento de pacientes com coronavírus. Segundo ele, a remessa incluirá particularmente paracetamol e hidroxicloroquina. O embaixador acrescentou que os medicamentos devem ser entregues na Rússia no final de abril ou no início de maio.

Polêmicas com o remédio

Embora sejam conhecidas por suas propriedades antivirais, ambas têm graves efeitos colaterais – em especial, se forem ministradas em altas doses, ou junto com outros medicamentos. Alguns médicos e governantes defendem o amplo uso deste fármaco na conjuntura atual, classificado de "presente dos céus" pelo presidente americano, Donald Trump. Uma grande parte da comunidade científica e das organizações de saúde pedem, porém, que se espere uma validação científica rigorosa, alertando para os riscos para os pacientes.

Embora estudos preliminares na França e na China apontem resultados promissores, a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina "ainda está por ser demonstrada", segundo a Agência Europeia de Medicamentos (EMA). No início de abril, a EMA pediu que se usasse a substância apenas em testes clínicos, ou "programas de emergência".

Outros medicamentos

Cinco medicamentos para o tratamento do coronavírus estão em testes clínicos na Rússia, disse o ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko. "Estão sendo realizados testes clínicos hoje para cinco medicamentos, quatro estão sob registro estadual, além do novo procedimento estabelecido pelo governo", disse Murashko em uma reunião sobre o progresso da construção e re-criação de perfil de instalações médicas nas regiões da Federação Russa.

 

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895