Rússia entrega sua vacina à OMS para qualificação prévia

Rússia entrega sua vacina à OMS para qualificação prévia

Ainda no inicio de agosto, governo russo anunciou que havia desenvolvido e registrado a ''primeira'' vacina contra o Covid-19

AFP

Rússia entrega sua vacina à OMS para qualificação prévia

publicidade

A Rússia "é um dos primeiros países do mundo a solicitar à OMS a pré-qualificação de sua vacina contra o novo coronavírus", informaram as autoridades nesta terça-feira. "No atual contexto de pandemia, o registro acelerado da vacina segundo o procedimento (da OMS) tornará a vacina russa acessível a todos em um período mais curto do que as convencionais", acrescentou o comunicado oficial. "Se a vacina for pré-selecionada, pode ser incluída na lista de medicamentos usados por (...) países em suas compras no atacado", especificam.

A Rússia anunciou no início de agosto que havia desenvolvido e registrado a "primeira" vacina contra o Covid-19, desenvolvida no centro de pesquisas de Moscou, Gamaleia, em colaboração com o Ministério da Defesa. Batizado de Sputnik V, em referência ao primeiro satélite artificial da história, criado pela União Soviética, foi recebido com ceticismo em todo o mundo, principalmente por não ter atingido a fase final dos testes quando foi apresentada.

Veja Também

As autoridades anunciaram nesta terça-feira que estão reforçando no país as medidas contra o coronavírus, como o uso obrigatório de máscara em locais públicos e recomendações para limitar as saídas noturnas. Também se aconselha que, entre 23h e 6h, eventos públicos sejam proibidos, e restaurantes, fechados. Essas novas medidas, que entrarão em vigor na quarta-feira, surgem em meio a um forte aumento de novos casos diários de contágio de Covid-19 na Rússia.

Na terça-feira, as autoridades anunciaram 320 mortes nas últimas 24 horas, um recorde. O número de novas infecções atingiu 16.550. A Rússia é o quarto país mais afetado pela pandemia, com mais de 1,5 milhão de casos e mais de 26.500 óbitos. Moscou e sua região são o principal foco da doença no país.

No final de setembro, as autoridades de Moscou já aconselhavam as pessoas com mais de 65 anos a ficarem em casa. Apesar do aumento das infecções, as autoridades russas afirmam que a situação está sob controle e querem evitar novas medidas rígidas de confinamento, que destruíram uma economia já abalada antes da pandemia.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895