Rússia espera fabricação em massa de vacina contra Covid-19 em até um mês

Rússia espera fabricação em massa de vacina contra Covid-19 em até um mês

Polêmica possível imunização contra a Covid-19 teria pulado etapas para ser disponibilizada mais cedo

AE

Laboratório responsável pela pesquisa mantém confiança na imunização

publicidade

A polêmica vacina russa contra o novo coronavírus pode entrar em produção de massa para a população até um mês após o lançamento da terceira fase da pesquisa, de acordo com Alexander Gintsburg, diretor da agência que desenvolve a substância no Ministério da Saúde da Rússia. Em entrevista para a agência estatal de notícias TASS, Gintsburg falou que a produção da vacina será feita em paralelo com os estudos, mas que será necessário esse tempo para que a produção atinja patamares de distribuição.

 

"No futuro próximo, três a quatro novas fábricas serão lançadas e em dezembro devem ter capacidade de produção de quatro a cinco milhões de doses da vacina", comentou. "Isso vai garantir o montante necessário de vacinas para inocular o país inteiro em nove a 12 meses."

 

As autoridades de saúde da informaram que 4.969 novos casos de infecção pelo novo coronavírus foram diagnosticados nas últimas 24 horas, elevando o total para 922.853 doentes. A capital Moscou teve o maior número de novos casos, 688, seguido de São Petersburgo, 163, e a região metropolitana da capital russa, 154. Foram 68 óbitos no período, menor número desde maio, com 15.685 mortes totais.

 

Na França, o número diário de novos casos se manteve acima de três mil pelo segundo dia consecutivo, preocupando as autoridades sanitárias. Foram 3.015 diagnósticos informados, elevando o total a 218.536 casos. Uma morte aconteceu entre sábado e domingo, 30.410 óbitos totais. A ressurgência do vírus fez com que o governo francês ampliasse as medidas de restrições sociais, incluindo zonas obrigatórias de uso de máscaras na capital Paris e em Marselha, no sul do país.

 

Com o número de casos de covid-19 crescendo entre jovens, o governo da Itália anunciou neste domingo o fechamento de boates durante a noite e o uso obrigatório de máscaras entre 18h e 6h em áreas onde aglomerações são mais prováveis. "Não podemos anular os sacrifícios que fizemos nos últimos meses", disse Roberto Speranza, ministro da Saúde italiano, em vídeo nas redes sociais, pedindo que a população pense nos idosos ante de se expor.

 

As autoridades de saúde na Itália informaram 479 novos casos de infecção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, elevando o total a 253.915. Foram quatro novos óbitos no período, 35.396 mortes no balanço completo.

 

Na Ásia, o número de casos também volta a assustar os governos locais. A Coreia do Sul reportou 276 novos infectados nas últimas 24 horas, maior número desde março, com o temor por um surto na região metropolitana da capital Seul crescendo. No total, o país apresenta 15.318 casos confirmados, incluindo 305 mortes. Em Tóquio, capital do Japão, os novos casos diários se mantiveram acima de 200 pelo quinto dia consecutivo, sendo 260 entre ontem e hoje. O país tem 53.577 infecções totais e 1.085 mortes.

 

No levantamento mais recente da Universidade Johns Hopkins, o número total de casos do novo coronavírus no mundo está em 21.538.933, com 772.498 mortes registradas, das quais 169.841 nos Estados Unidos; 107.232 no Brasil; 56.543 no México; 49.980 na Índia; e 46.791 no Reino Unido.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895