Recorde de casos de Covid-19 no Iraque após visita papal

Recorde de casos de Covid-19 no Iraque após visita papal

Apesar do aumento, autoridades anunciaram uma flexibilização do toque de recolher introduzido algumas semanas antes

AFP

Em março, na primeira visita papal da história ao Iraque, Francisco percorreu o país

publicidade

O Iraque registrou, nesta quarta-feira, 5.663 novos casos de Covid-19, um recorde sem precedentes no país que recebeu o papa Francisco há quase duas semanas e onde o uso de máscara é raro.

Apesar deste aumento no país de 40 milhões de habitantes com escassez de remédios, médicos e hospitais, as autoridades anunciaram na terça-feira à noite uma flexibilização do toque de recolher introduzido algumas semanas antes.

Com 5.663 novos pacientes e 33 mortes nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde, o número de iraquianos infectados desde o surgimento do coronavírus no país, em fevereiro de 2019, alcança 768.352, incluindo 13.827 mortos.

Essas estatísticas são divulgadas diariamente pelo Ministério da Saúde, que indica que realiza cerca de 40.000 exames por dia, índice muito baixo em um país que possui várias cidades com mais de dois milhões de habitantes e onde a densidade demográfica é alta.

Além da falta de equipamentos médicos para tratar os pacientes - que geralmente preferem instalar um cilindro de oxigênio em suas casas a ir para hospitais decadentes - o Iraque recebeu ao todo apenas 50.000 doses da vacina (da chinesa Sinopharm) na véspera da chegada do papa. Bagdá se gaba de ter um plano para comprar 16 milhões de doses, mas o Parlamento ainda não aprovou o orçamento de 2021.

De 5 a 8 de março, para a primeira visita papal da história ao Iraque, Francisco percorreu o país, celebrando orações e missas entre centenas de fiéis que se aglomeraram ao seu redor, e até mesmo em um estádio cheio de milhares de pessoas em Erbil. Nessas aglomerações, como na vida cotidiana, havia poucos iraquianos com máscara - e a recente introdução de uma multa não mudou isso.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895