Reino Unido flexibiliza restrições apesar do receio por variante indiana do coronavírus

Reino Unido flexibiliza restrições apesar do receio por variante indiana do coronavírus

Número de casos atribuídos à variante B1.617.2 mais que dobraram em uma semana, mas governo manteve reabertura de hotéis, museus, salas de espetáculos e estádios para até 10 mil espectadores

AFP

Reino Unido flexibiliza restrições apesar do receio por variante indiana do coronavírus

publicidade

Jantar em uma área interna de restaurante ou assistir a um jogo de futebol no estádio voltam a ser possibilidades na Inglaterra, que nesta segunda-feira iniciou uma nova etapa na flexibilização do confinamento, apesar do temor do avanço da variante indiana do coronavírus. Com mais de 127.600 mortes pela pandemia, o Reino Unido, país mais afetado da Europa, registrou a melhora da situação sanitária após um rígido confinamento durante o inverno e uma campanha de vacinação em massa.

Mas o avanço da variante indiana, sobretudo no noroeste da Inglaterra, ameaça ofuscar as perspectivas. Ao mesmo tempo que pediu "prudência" aos britânicos, o primeiro-ministro Boris Johnson afirmou que no momento não há motivos para mudar a estratégia, com a reabertura de áreas internas de pubs e restaurantes (as áreas a externas estavam abertas desde abril), hotéis, museus, salas de espetáculos e estádios para até 10 mil espectadores.

Proibidas durante vários meses, as reuniões em casa voltam a ser autorizadas, mas limitadas a seis pessoas pessoas de duas residências no máximo. "Tenha cuidado com os riscos para seus entes queridos, recorde que o contato físico, como os abraços, é uma forma direta de transmitir esta doença. Assim, devem pensar nos riscos ao considerar, por exemplo, se estão vacinados", afirmou Johnson em um vídeo divulgado no Twitter.

Também voltam a ser autorizadas as viagens ao exterior, mas poucos destinos estão isentos da quarentena no retorno. Alguns turistas não perderam tempo, como Keith e Janice Tomsett, casal de aposentados de 72 e 71 anos. Eles aguardavam pela viagem à ilha portuguesa da Madeira, um dos poucos lugares que não representarão a necessidade de quarentena no retorno ao Reino Unido.

"Depois de 15 meses trancados, isto nos faz muito bem", disse Tomsett à agência de notícias britânica PA no aeroporto londrino de Gatwick. Na Escócia, onde o governo local decide a própria política de saúde, a flexibilização de algumas restrições não se aplica a zonas com focos da doença, como a cidade de Glasgow.

Casos de variante indiana dobram

O número de casos atribuídos no Reino Unido à variante B1.617.2, detectada inicialmente na Índia, mais que dobraram em uma semana, a mais de 1.300 contágios nos últimos sete dias. Desta maneira, uma onda de contágios poderia colocar em perigo o fim definitivo das restrições na Inglaterra, previsto para 21 de junho, advertiu o governo.

Para deter o avanço, as autoridades reforçaram os testes de detecção nas zonas afetadas e reduziram o intervalo entre as duas doses de vacinação, de 12 para 8 semanas para pessoas com mais de 50 anos. O ministro da Saúde, Matt Hancock, destacou que "há um forte grau de certeza" de que as vacinas são eficazes contra esta variante.

Desde o início da campanha de vacinação, em dezembro, mais de 36 milhões de pessoas receberam a primeira dose e quase 20 milhões estão com a imunização completa, o que significa cerca de 40% da população adulta. O governo espera aplicar ao menos a primeira dose em todos os adultos até o fim de julho.

O comitê científico que aconselha o governo mantém suas reservas ante a grande reabertura desta segunda-feira e alertou que existe uma "possibilidade realista" de que a variante seja até 50% mais contagiosa que a que detectada no fim de 2020 na Inglaterra.

Esta última provocou uma onda de contágios e mortes que levaram o Reino Unido a um longo período de retorno ao confinamento a partir de janeiro. O comitê advertiu que a reabertura poderia "conduzir a um aumento substancial das hospitalizações, similar ou maior que os picos precedentes", quando os serviços de saúde ficaram à beira do colapso.

Criticado por não reconhecer imediatamente a dimensão da crise de saúde no início da pandemia, o governo se defendeu de questionamentos pela demora a responder ao surgimento da variante e por não endurecer de maneira mais rápida as restrições para viajantes procedentes da Índia.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895