Resultados insatisfatórios fazem Sanofi e GSK adiarem sua vacina contra Covid-19 para o fim de 2021

Resultados insatisfatórios fazem Sanofi e GSK adiarem sua vacina contra Covid-19 para o fim de 2021

Laboratórios desejam "aperfeiçoar a concentração de antígenos para obter uma alta resposta imunológica em todas as faixas etárias

AFP

Sanofi e GSK assinaram vários contratos de entrega, um deles com a União Europeia, que reservou 300 milhões de doses para 2021

publicidade

Os laboratórios Sanofi e GSK, francês e britânico respectivamente, anunciaram nesta sexta-feira que sua vacina contra a Covid-19 não ficará pronta até o fim de 2021, depois de resultados abaixo do esperado nos primeiros testes clínicos, um revés na campanha contra a pandemia. O programa foi "adiado para melhorar a resposta imunológica nas pessoas mais velhas", afirmaram as empresas em um comunicado. Com o anúncios, as ações das espresna

Os dois laboratórios esperam disponibilizar a vacina no quarto trimestre do próximo ano. O plano original era apresentar um pedido de licença no primeiro semestre de 2021 e disponibilizar um bilhão de doses. A Sanofi, que está desenvolvendo a vacina em parceria com a GSK - que fornece o adjuvante - havia informado recentemente que esperava iniciar os últimos testes em humanos (fase 3) no fim de dezembro.

De acordo com este calendário, o grupo farmacêutico francês, um dos principais produtores de vacinas do mundo, pretendia produzir um bilhão de doses em 2021. Um objetivo que não será possível. Os resultados provisórios dos primeiros testes (fases 1 e 2) não atingiram as expectativas: embora a resposta imunológica em adultos com idades entre 18 a 49 anos seja "comparável à de pacientes que se recuperaram da infecção por Covid-19", esta resposta é "insuficiente" nos adultos mais velhos, afirma o comunicado.

Em consequência, os laboratórios desejam "aperfeiçoar a concentração de antígenos para obter uma alta resposta imunológica em todas as faixas etárias", completa a nota. "A fórmula do produto não é satisfatória. É importante otimizá-la, e isso pode levar um pouco mais de tempo", declarou à AFP Thomas Triomphe, vice-presidente da divisão de vacinas da Sanofi, que admitiu um anúncio "decepcionante".

O teste mostrou que "a vacina candidata poderia aportar uma proteção contra as patologias pulmonares e comportar a eliminação rápida do vírus nas vias nasais e nos pulmões no espaço de dois a quatro dias", afirma o comunicado. "Quando injetamos uma forte quantidade de vírus em animais que receberam a vacina, nós temos excelentes resultados, o que nos dá confiança", destacou Thomas Triomphe. De modo geral, o desenvolvimento de uma nova vacina leva tempo e dinheiro. De acordo com especialistas do setor, são necessários 1,2 bilhão de dólares e dez anos, em média.

As empresas planejam um estudo de Fase 2b com início previsto para fevereiro de 2021 com o apoio da Autoridade de Pesquisa e Desenvolvimento Biomédico Avançado (BARDA) O estudo incluirá uma comparação proposta com uma vacina autorizada. Se os dados forem positivos, um estudo global de Fase 3 pode começar no segundo trimestre de 2021. Os resultados positivos deste estudo levariam a submissões regulatórias na segunda metade de 2021, atrasando, portanto, a disponibilidade potencial da vacina de meados de 2021 para o quarto trimestre de 2021.

Veja Também

Andamento dos testes

A vacina candidata à base de proteína recombinante com adjuvante Sanofi e GSK foi selecionada em julho de 2020 pela Operação Warp Speed do governo dos Estados Unidos, a fim de acelerar seu desenvolvimento e fabricação. Onze vacinas estão na última fase de testes clínicos. Várias já tiveram os resultados de eficácia publicados, como a vacina da americana Pfizer, que trabalha em colaboração com a empresa alemã BioNTech.

O Reino Unido autorizou a administração do produto e iniciou uma campanha de vacinação na terça-feira. A vacina da empresa americana Moderna pode receber autorização na próxima semana nos Estados Unidos. Neste contexto, a vacina da GSK e Sanofi pode chegar muito tarde. 

"São de três a quatro meses de atraso, mas, no fim das contas, com mais informações sobre uma fórmula melhor", disse Triomphe. "Corresponderá aos nossos sócios decidir se querem encomendar as doses", completou. Sanofi e GSK assinaram vários contratos de entrega, um deles com a União Europeia, que reservou 300 milhões de doses para 2021.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895