Ruínas de antigo palácio asteca são descobertas no México

Ruínas de antigo palácio asteca são descobertas no México

Na incursão arqueológica também foram encontradas ruínas da primeira casa do conquistador espanhol Cortés

AFP

Ruínas foram descobertas sob um emblemático edifício do centro da capital, o Nacional Monte de Piedad

publicidade

Vestígios de um antigo palácio asteca, sede de acontecimentos cruciais da conquista do México, como a morte do monarca Montezuma, e que depois se tornou a residência de Hernán Cortés, foram descobertas sob um emblemático edifício do centro da capital, informou nesta segunda-feira o governo mexicano.

O edifício Nacional Monte de Piedad, histórica casa de penhores em plena praça central da Cidade do México, escondia pisos de lajes de basalto correspondentes a um espaço aberto do palácio de Axayácatl, sexto tlatoani (governador asteca) de Tenochtitlan entre 1469 e 1481, pai de Moctezuma.

Na incursão arqueológica também foram encontradas ruínas da primeira casa do conquistador espanhol Cortés, que em seguida foi usada como primeiro administração local da Nova Espanha e sede do marquesado do Vale de Oaxaca, detalhou o Instituto Nacional de Antropologia e História do México (Inah).

A descoberta foi possível graças a obras de reforço da base do edifício do Monte de Piedad, erguido em 1755, e que envolveram a escavação de 12 poços de sondagem.

Em um local adjacente à zona central das obras, os arqueólogos Raúl Barrera e José María García realizaram uma escavação intensiva, localizando ruínas de um estrutura construída com silhares de basalto e tezontle, uma rocha vulcânica do origem mexicana, com dimensão de cinco por quatro metros.

"Análises posteriores permitiriam concluir que esta foi a residência de Hernán Cortés, após a queda do México-Tenochtitlan, em 1521", explicou o instituto em comunicado.

Sob a casa do conquistador, a mais de três metros de profundidade, foram encontradas as ruínas de outro piso de lajes de basalto, mas da era pré-hispânica.

Os especialistas afirmaram que o local "fez parte de um espaço aberto do antigo Palácio de Axayácatl, provavelmente um pátio".

Barrera e García destacaram que os vestígios correspondem a materiais reutilizados do Palácio de Axayácatl que, assim como outras construções do recinto sagrado de Tenochtitlan, foram destruídos pelos espanhóis e seus aliados indígenas, tanto com fins simbólicos como práticos.

Estes pisos pré-hispânicos "foram os mesmos por onde perambularam os invasores espanhóis e seus aliados na chegada a Tenochtitlan, em 8 de novembro de 1519", ressaltou Barrera.

Moctezuma "permitiu que ficassem alojados nas casas velhas que haviam pertencido a seu pai e, em pouco tempo, foram convertidas em quartel", completou.

O subsolo do centro histórico da capital mexicana, onde foi erguida a antiga Tenochtitlan, é uma fonte inesgotável de descobertas arqueológicas, sede de museus e de diversas investigações científicas.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895